Défice externo aumenta para 2.600 milhões de euros até junho

Défice externo aumentou face aos 1.678 milhões registados no primeiro semestre do ano passado. Para esta evolução contribuiu, sobretudo, a balança de bens, segundo o Banco de Portugal.

Bobby Yip/Reuters

O défice externo de Portugal aumentou para 2.600 milhões de euros até junho, que compara com os -1678 milhões registados no primeiro semestre do ano passado. Segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal esta quarta-feira, este cenário resultou sobretudo do aumento do défice na balança de bens.

O défice da balança de bens aumentou 1727 milhões de euros em termos homólogos, enquanto o excedente da balança de serviços não se alterou.

“Nos primeiros seis meses do ano, as exportações de bens e serviços cresceram 3,3% (2,4% nos bens e 5,2% nos serviços) e as importações aumentaram 7,3% (6,8% nos bens e 9,9% nos serviços)”, informou a entidade liderada por Carlos Costa.

Já o défice da balança de rendimento primário reduziu-se em 404 milhões de euros relativamente ao período homólogo, para 3207 milhões de euros. “Esta variação resultou, principalmente, da redução dos juros pagos a entidades não residentes”, identifica o BdP.

Por outro lado, até junho de 2019, o saldo da balança financeira registou uma redução dos ativos líquidos de Portugal face ao exterior de 2169 milhões de euros.

“Essa evolução resultou do aumento dos passivos, e reflete o investimento de não residentes em sociedades não financeiras residentes e em obrigações do tesouro. Este efeito foi parcialmente compensado pelo aumento de ativos financeiros no exterior, com destaque para o investimento dos bancos residentes em títulos de dívida emitidos por não residentes”, refere o regulador.

Fonte: Banco de Portugal
Ler mais

Recomendadas

Governo aprova hoje o Programa de Estabilização. Apoio ao lay-off será em função da diminuição da faturação

Depois de ouvir os partidos políticos e os parceiros sociais, o primeiro-ministro, António Costa, adiantou que o Governo teria intenção de aprovar esta semana o documento e os titulares de algumas pastas já deram pistas sobre o que aí vem. Alterações ao regime de lay-off simplificado e das moratórias e medidas para apoio ao investimento deverão estar entre as medidas.
antónio_costa_silva_partex_4

António Costa Silva defende “pacto entre Estado e empresas”

António Costa Silva, gestor nomeado pelo primeiro-ministro para coordenar os trabalhos preparatórios do plano de relançamento da economia, defende, em entrevista à Lusa, um “pacto entre Estado e empresas” e um “equilíbrio virtuoso” com os mercados.

‘Reload’. Lagarde deverá recarregar hoje a ‘bazuca’ com arsenal de meio bilião de euros

O BCE tem estado a disparar as balas sem cerimónia e já gastou mais de 30% do ‘envelope’ de 750 mil milhões de euros no programa de emergência. A expetativa é que anuncie hoje um aumento para 1,25 biliões e um prolongar do programa até daqui a um ano, de forma a evitar especulação nos mercados. As novas projeções económicas também estarão sob foco.
Comentários