Democracia nos EUA prevaleceu perante “minoria violenta”, realça Governo britânico sobre nomeação de Biden

“A retoma do Congresso e a certificação da vitória de Joe Biden a 7 de janeiro enviaram uma mensagem essencial”, garantiu o secretário dos Negócios Estrangeiros britânico.

O Governo britânico, através do secretário dos Negócios Estrangeiros realçou, esta terça-feira, que a certificação de que Joe Biden é o presidente dos EUA é a prova de que a democracia prevaleceu perante “uma minoria violenta”.

O secretário dos Negócios Estrangeiros britânico, Dominic Raab, disse esta terça-feira que a confirmação de Joe Biden como próximo presidente dos Estados Unidos mostrou que a democracia não pode ser desafiada.

“A retoma do Congresso e a certificação da vitória de Joe Biden a 7 de janeiro enviaram uma mensagem essencial de que a vontade democrática do povo dos EUA não pode ser desafiada por uma minoria violenta”, apontou Raab ao parlamento.

Depois da eleição de Biden, o primeiro-ministro britânico congratulou Biden e Harris pela vitória. “Parabéns a Joe Biden pela sua eleição como Presidente dos Estados Unidos e a Kamala Harris por sua conquista histórica”, referiu Boris Johnson.

“Os EUA é o nosso aliado mais importante e estou ansioso para trabalharmos juntos em prioridades que temos em comum, desde a mudança climática até o comércio e a segurança”, sublinhou Boris Johnson a 8 de novembro.

Recomendadas

Canadá vai financiar programa internacional de combate à pesca ilegal

O Canadá vai reforçar o combate à pesca ilegal. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a pesca ilegal representa até 26 milhões de toneladas de peixes capturados anualmente, avaliados entre os 10 e 23 mil milhões de dólares (entre 8 e 18,7 mil milhões de euros). A nível internacional, […]

Joe Biden inicia primeira ação militar do mandato contra Síria

O Pentágono sublinhou que o ataque destruiu “várias instalações” e foi ordenado em resposta aos ataques contra os EUA.

António Guterres é recandidato à liderança da ONU. Com que apoios pode contar?

António Guterres apresentou a recandidatura a um segundo mandato como secretário-geral da ONU a janeiro de 2021. O Governo elogiou o desempenho do antigo governante português nas Nações Unidas, durante um período especialmente “doloroso” e “desafiante”, tendo formalizado o apoio à sua recandidatura.
Comentários