PremiumDeolinda Silva: “Indústria alimentar pode ser exportadora líquida num futuro próximo”

As exportações do sector agroalimentar português cresceram cerca de 20% entre 2015 e 2019. Nesse ano, as empresas associadas da PortugalFoods exportaram 830 milhões de euros, um crescimento de 40% no período em causa.

Em entrevista ao Jornal Económico, Deolinda Silva, diretora executiva desta plataforma, destaca os segmentos do azeite, vinhos, conservas, hortícolas e frutícolas, entre outros, como expoentes deste crescimento constante. E apesar de afetado pela pandemia, acredita que este sector poderá tornar-se exportador líquido a curto prazo.

Qual a expressão atual da plataforma PortugalFoods e qual tem sido a sua evolução nos últimos anos?
A PortugalFoods é uma plataforma agregadora que reúne empresas de várias dimensões e que têm atividade nos vários subsectores que compõem o sector agroalimentar português. Para além da indústria, estão também presentes as entidades do sistema científico e tecnológico nacional e entidades regionais e nacionais com competências na área alimentar. O sector agroalimentar tem desempenhado um papel fundamental na economia portuguesa, com um peso no PIB de cerca 6%, em termos de volume de negócios, sendo que a indústria agroalimentar e das bebidas tem um peso de cerca de 19% da indústria transformadora nacional. Entre 2011 e 2017, as empresas associadas da PortugalFoods aumentaram as suas exportações em cerca de 39%, passando de 596 milhões para 829 milhões de euros. Esta performance contribui, naturalmente, para o crescimento que se tem verificado nas exportações portuguesas do sector agroalimentar, que têm crescido a bom ritmo e apresentaram um crescimento de perto de 20% entre 2015 e 2019.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Caves de Vinho do Porto com menos 81,8% de visitantes em 2020

No topo dos visitantes estão os portugueses (46.704), os espanhóis (44.536) e os franceses (37.151).

Pagamentos ao sector agroflorestal ascenderam a 69 milhões de euros em janeiro

Neste valor, incluem-se também os pagamentos no âmbito das medidas Covid-19 para apoio ao setor.

Comissão Europeia prolonga ajudas ao sector vitivinícola até outubro

O sector vitivinícola sofreu fortes quebras com o encerramento de restaurantes e bares em toda a União Europeia e as restrições e cancelamentos de celebrações, bem como as rápidas mudanças na procura.
Comentários