Depois das praças europeias, Brexit penaliza Wall Street

O Goldman Sachs aumentou a sua estimativa quanto à probabilidade de o Brexit vir mesmo a acontecer, atribuindo agora 65% de hipóteses para que o divórcio entre a União Europeia e o Reino Unido ocorra no dia 31 de outubro.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly before the closing bell in New York, U.S., January 6, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Depois de ter penalizado as bolsas europeias esta sexta-feira, a incerteza em torno do Brexit também teve impacto negativo em Wall Street, com o S&P 500, o tecnológico Nasdaq e o industrial Dow Jones a encerrarem a última sessão da semana em território negativo.

O Goldman Sachs aumentou a sua estimativa quanto à probabilidade de o Brexit vir mesmo a acontecer, atribuindo agora 65% de hipóteses para tal. O banco norte-americano diz que as probabilidades para um não acordo entre a União Europeia e o Reino Unido se situam nos 10%.

O crescimento económico da China no terceiro trimestre também penalizou o sentimento do mercado, ao crescer 6%, o ritmo mais lento nos últimos 27 anos.

O S&P 500 caiu 0,40%, para 2.986,05 pontos; o Nasdaq perdeu 0,93%, para 7.868,49 pontos; e o Dow Jones perdeu 0,82%, para 26.804,30 pontos.

Nas empresas, o destaque do dia vai para a subida dos títulos da Coca-cola, que valorizaram 2% depois de empresa ter apresentado resultados trimestrais acima do do esperado e de ter revisto em alta o guidance. 

A maior parte dos grandes bancos norte-americanos também apresentaram resultados esta semana e superaram as expectativas do mercado.

De resto, de acordo com a FactSet, 70 das empresas que integram o S&P 500 já apresentaram resultados, sendo que em 80% dos casos, superaram as expectativas do mercado.

Em sentido negativo, as ações da Johnson & Johnson tombaram 5% depois de ter sido noticiado que alguns produtos de pó-de-talco conterem amianto.

A Boeing também desvalorizou 5% depois de se saber que ocultou informações sensíveis sobre o modelo 737 Max à Administração de Aviação Federal norte-americana.

Nas matérias-primas, o West Texas Intermediate, referência para o mercado norte-americano, perde 0,35%, para 53,74 dólares. Em Londres, o barril de Brent, referência para o mercado europeu, cai 1,02%, para 59,30 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street abre a negociar flat

A penalizar Wall Street está nomeadamente o anúncio da Johnson & Johnson, após a empresa norte-americana anunciar que terá de retirar do mercado um lote de produto. Por outro lado, resultados da Coca-Cola, Intuitive Surgical e American Express2 animam as praças norte-americanas.
Recomendadas

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.

Bolsas europeias acabam semana com perdas. Papeleiras abalam PSI-20

Já EDP Renováveis subiu 1,71%, para 11,92 euros, um dia depois de ter informado que assegurou um contrato de 20 anos num leilão de energia eólica em Itália.

Wall Street abre mista à espera da conferência de imprensa de Donald Trump

A pressão vendedora começou a sentir-se logo ontem à noite, quando o presidente norte-americano informou que iria falar aos jornalistas sobre a China. “O governo dos Estados Unidos está… Vou usar a palavra furioso com o que a China fez nos últimos dias, semanas e meses”, disse esta sexta-feira o assessor económico da Casa Branca.
Comentários