Deputados do PSD Madeira que se abstiveram no OE2020 vão ser alvo de um processo disciplinar

O processo terá sido instaurado a pedido da direção do grupo parlamentar do PSD, mas os deputados ainda não foram formalmente notificados. Em causa está o facto de Sara Madruga da Costa, Sérgio Marques e Paulo Neves terem contrariado a disciplina de voto imposta pelo PSD na votação do OE2020, na generalidade.

Os três deputados do PSD/Madeira que se abstiveram na votação, na generalidade, da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) vão ser alvo de um processo disciplinar. O processo terá sido instaurado a pedido da direção do grupo parlamentar do PSD de Rui Rio, mas os deputados ainda não foram formalmente notificados, avança o Diário de Notícias da Madeira.

Sara Madruga da Costa, Sérgio Marques e Paulo Neves contrariaram a disciplina de voto imposta pela bancada social-democrata na Assembleia da República (que votou contra o documento), depois de o Governo de António Costa ter negociado com o Governo da Madeira o co-financiamento da construção do novo hospital do Funchal.

Os deputados visados devem ser notificados nos próximos dias. Questionada sobre a situação pelo jornal “DN-Madeira”, a deputada social-democrata Sara Madruga da Costa disse: “Não é nada que me preocupe porque, para mim, acima do PSD está e sempre estará a Madeira”.

A abstenção dos deputados do PSD/Madeira não foi, no entanto, decisiva. A proposta de OE2020 apresentada pelo Governo foi aprovada, com a abstenção do BE, PCP, PAN, PEV e Livre. Já o PSD, CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal votaram contra a proposta orçamental.

No caderno de encargos do PSD/Madeira para viabilizar o OE 2020 estavam ainda a redução dos juros da dívida que o Funchal paga ao Estado, no âmbito do Plano de Ajustamento Económico e Financeiro, bem como passagens aéreas a 86 euros para residentes e 65 para estudantes universitários e o financiamento de um ferry semanal entre a Madeira e o continente.

Recomendadas

Eutanásia: Parlamento decide referendo ainda em outubro

O texto, elaborado por António Filipe (PCP), foi aprovado por unanimidade e já tinha sido discutido pelos deputados da comissão em 24 de setembro, durante a audição dos subscritores da iniciativa popular de referendo – Isilda Pegado, Teresa de Melo Ribeiro e José Maria Seabra Duque.

OE2021: Aumento geral dos salários é uma das 46 propostas do PCP

“A experiência” do passado sugere que se verifique “em concreto”, na proposta, “aquilo que o Governo aceitou verdadeiramente inscrever e as condições em que será feito para fazer uma apreciação mais definitiva” do orçamento, afirmou.

OE2021: CDS-PP diz que crise política é “artificial” e é urgente conter recessão económica

O líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, considera que a hipótese de não haver acordo no Orçamento do Estado para o próximo ano é apenas “artificial” e salienta que é “fundamental” encontrar respostas para evitar “números de desemprego e de insolvências superiores àqueles que enfrentámos por ocasião da crise das dívidas soberanas”.
Comentários