Desde 2009 que não se vendiam tantas casas em Portugal

O ano de 2018 ficou também marcado por ser o ano em que se venderam mais casas novas desde 2011. Já o número de habitações existentes atingiu o valor mais alto desde 2009.

As vendas de casas (existentes e novas) em Portugal atingiu em 2018 um máximo de nove anos. Desde 2009 que não se vendiam tantas casas em Portugal: em 2018, o número de transações atingiu os  178.691 unidades. O mínimo desta série histórica foi atingido no ano de 2012, quando foram vendidas apenas 76.398 casas.

Analisando só a venda de casas novas em Portugal, estas transações subiram pelo quarto ano consecutivo, tendo registado em 2018 um total de 26.497 casas transacionadas. Este é o valor mais elevado desde 2011, ano em que foram realizadas 29.672 transações de novos espaços habitacionais, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta segunda-feira, 25 de março.

No entanto, estes dois registos ainda se encontram muito distantes das 47.008 casas transacionadas no ano de 2010, o registo mais elevado da série histórica do INE. Em sentido inverso, o ano de 2014 foi aquele onde em Portugal se investiu menos em nova habitação, tendo sido transacionadas 19.904 casas. Curiosamente não foi em 2014, o trimestre em que se venderam menos casas novas. Esse facto aconteceu no primeiro trimestre de 2013, quando foram transacionadas 4.036 novas habitações, num total anual de 21.215.

No que diz respeito ao volume de transações de habitações existentes, verificou-se um aumento pelo sexto ano consecutivo. O ano de 2018 também ficou marcado por se ter sido o ano desde 2009 em que se verificou o maior número de casas existentes vendidas, num total de 152.212 unidades. O ano em que se venderam menos casas existentes desde 2009 foi em 2012, com  54.961 unidades.

Recomendadas

Quantas pessoas estão na praia? Esta app diz-lhe onde pode estender a toalha no verão

A aplicação Posso Ir vai dar informações sobre o nível de ocupação das praias, assim como sobre o nível de qualidade da água das praias, o histórico de ocupação, a existência de bandeira azul e vigilância, e as infraestruturas disponíveis.

Mais de 30% dos portugueses fará mais compras online depois do confinamento, diz estudo

Mais de 50% dos portugueses afirma ter realizado mais compras online durante o confinamento, consolidando o boom do eCommerce e contribuindo para a reinvenção do comércio tradicional. Uma tendência que parece ter vindo para ficar depois do confinamento, , com 32% dos portugueses afirmou que planeia fazer as suas compras de forma online com mais frequência do que antes, revela “Estudo MARCO: Hábitos de Consumo Pós Covid-19”.

Veja aqui a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um prémio de 17 milhões de euros.
Comentários