Desperdício alimentar acabou. Projeto apoiado por Bill Gates garante que a fruta dura mais tempo

“A Apeel é completamente comestível, insípida e segura para comer. Pode ser utilizada numa variedade de matérias-primas vegetais para criar formulações, e a fonte de matéria-prima pode variar de acordo com a sazonalidade e disponibilidade geral”, explica a empresa

Um terço dos alimentos produzidos a nível mundial para consumo humano é desperdiçado, aproximando-se de 1.300 milhões de toneladas anuais, segundo estudos da Organização das Nações Unidas para a alimentação e agricultura.

O excesso de desperdício gerou assim uma consciencialização entre os supermercados e consumidores individuais, que criaram formas para aproveitar o máximo dos produtos cuja validade já terminou, noticia o ‘El Economista’ esta terça-feira, 9 de julho.

Por essa razão a empresa Apeel Sciences, apoiada pela fundação de Bill Gates, desenvolveu um revestimento comestível sem sabor para manter as frutas e vegetais mais frescos durante mais tempo, solucionando grande parte do problema da validade destes alimentos e uma grande causa do desperdício.

A abordagem desta empresa conquistou  investimentos de outras empresas que investiram mais de 110 milhões de dólares (98 milhões de euros), devido ao sucesso dos primeiros testes entre agricultores e supermercados.

Aqui, o alimento em questão é pulverizado com uma solução líquida, obtida a partir de derivados de plantas, que cria uma camada adicional no produto, reduzindo assim as perdas de água, e o início da oxidação, que são as principais causas de deterioração de alimentos.

“A Apeel é completamente comestível, insípida e segura para comer. Pode ser utilizada numa variedade de matérias-primas vegetais para criar formulações, e a fonte de matéria-prima pode variar de acordo com a sazonalidade e disponibilidade geral. Estes ingredientes existem nas cascas, sementes e polpa de todas as frutas e legumes, literalmente, em cada mordida de fruta que comemos “, explicam os responsáveis, citados pelo El Economista.

O tratamento em frutas e verduras é sempre aplicado depois do produto ser apanhado, o que permite criar um microclima ideal dentro de cada peça, resultando em “alta qualidade, vida mais longa e melhor portabilidade”, indica a empresa que pretende “promover práticas de cultivo mais sustentáveis, alimentos de melhor qualidade e menor desperdício de alimentos”.

Até aos dias de hoje, a empresa desenvolveu soluções para morangos, abacates, espargos, citrinos, cerejas e bananas. Nos testes, os morangos duraram 45 dias, os abacates chegaram aos 25 dias, enquanto a vida dos citrinos era estendida em 60%.

Um dos segredos revelados pela Apeel Sciences é que a solução não é a mesma para todos os produtos, embora consigam “preparar a Apeel a partir de qualquer tipo de fruta ou vegetal”. A empresa explica que as componentes variam entre os produtos, embora os componentes utilizados na preservação sejam provenientes das casas dos frutos e vegetais.

Ler mais
Recomendadas

Itália à procura de governo: de iniciativa presidencial ou segundo o modelo Ursula?

Matteo Salvini não quer outra coisa que não as eleições antecipadas, mas os seus opositores querem tudo menos isso. O Presidente Sergio Mattarella terá que decidir.

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

“O ideal era que todos saíssem vivos, mas preferimos salvar os reféns”, diz governador do Rio de Janeiro após sequestro

Wilson Witzel parabenizou o trabalho do BOPE e lamentou a morte do sequestrador. Aos jornalistas, o governador do Rio de Janeiro apelou para que “este tipo de atrocidade” não se volte a repetir e anunciou que a família do criminoso terá acompanhamento.
Comentários