“Despropositado e malicioso”: Miguel Relvas nega qualquer ato de gestão na Tecnoforma

É “despropositado e malicioso associar o meu nome a eventuais atos concretos de aplicação dos programas, realizados pela empresa [Tecnoforma]”, afirma Miguel Relvas, em comunicado enviado às redações.

Cristina Bernardo

O antigo governante Miguel Relvas, responsável pelo programa Foral, ao abrigo do qual a Tecnoforma foi financiada entre 2000 e 2006, garante que nada teve a ver com a gestão da empresa Tecnoforma e que as ligações que lhe são imputadas ao caso de mau uso de verbas comunitárias são “despropositadas e maliciosas”.

É “despropositado e malicioso associar o meu nome a eventuais atos concretos de aplicação dos programas, realizados pela empresa referenciada”, afirma Miguel Relvas, em comunicado enviado às redações. “A ligação do meu nome a atos de gestão dessa empresa é capciosa e susceptível de lesar a minha honra”. 

Segundo informação revelada pelo jornal ‘Público’ esta segunda-feira, a Comissão Europeia concluiu que houve fraude na gestão de fundos comunitários atribuídas à Tecnoforma a um projeto de formação de pessoal para os aeródromos e heliportos municipais da região centro do país. O antigo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho foi consultor e administrador da empresa, à qual Miguel Relvas estaria alegadamente relacionado.

Em Portugal, os dois inquéritos abertos ao caso – um no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e outro no Departamento de Investigação e Ação Penal de Coimbra (DIAP), – acabaram encerrados e arquivados em setembro deste ano. No entanto, as conclusões da Comissão Europeia vieram relançar o caso, exigindo a devolução de seis milhões de euros provenientes de fundos comunitários, que foram mal empregues pela Tecnoforma.

O social-democrata lembra que a investigação do gabinete anti-fraude da Comissão Europeia (OLAF) começou ainda antes de o próprio exercer funções de secretário de Estado. Miguel Relvas salienta ainda que não lhe cabia a ele, mas sim à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro aprovar os projetos financiados por fundos comunitários.

“Em circunstância alguma têm a ver comigo ou com a minha atividade política passada que sempre pautei pelo escrupuloso respeito do interesse público”, sustenta Miguel Relvas, lembrando que “não existem elementos probatórios suficientes que permitam concluir que a Tecnoforma tenha, de algum modo, sido favorecida, lícita ou ilicitamente, pela Secretaria de Estado da Administração Local”.

 

 

Ler mais

Relacionadas

Caso Tecnoforma: Bruxelas contraria DCIAP e diz que houve fraude

A investigação feita pelo gabinete antifraude da Comissão Europeia (OLAF) indica que “foram cometidas graves irregularidades, ou mesmo fraudes, na gestão dos fundos europeus” atribuídos aos projetos da Tecnoforma.

Tecnoforma: Ministério Público arquiva processo que envolvia Passos Coelho e Miguel Relvas

Em causa estava a atribuição de fundos comunitários à empresa onde trabalhava o atual líder do PSD. Ministério Público considerou que não existiam provas desta atribuição ou mesmo de pagamentos em troca de contrapartidas.
Recomendadas

Coronabonds, dividendos e teletrabalho. Hoje hà “Mercados em Ação”, às 17h

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

Covid-19 deve levar PSI 20 a fechar hoje o pior trimestre desde 2002

Até ao final de 30 de março, o principal índice bolsista português registou a segunda maior queda trimestral neste século, pressionado pelo impacto económico da propagação do novo coronavírus. Nem na crise financeira de 2008 a bolsa nacional caiu tanto.

Portugal a meio da tabela no ranking de segurança alimentar na Europa, segundo estudo

Portugal é o 13º países, entre 26, com melhor avaliação no “Global Food Security Index 2019”, publicado pela The Economist Intelligence Unit. Relativamente à qualidade e segurança dos alimentos, Portugal sobe ao ‘top 5’, com 88 pontos, apenas atrás da Finlândia, Noruega, Suécia e Holanda.
Comentários