Detido suspeito do atentado em Utrecht

O homem que abriu fogo dentro de um elétrico na cidade de Utrecht, esta segunda-feira de manhã, foi detido horas depois de ser identificado pela polícia holandesa.

O suspeito do tiroteio que, esta segunda-feira, provocou pelo menos três mortos e cinco feridos num elétrico em Utrecht, na Holanda, foi detido. O suspeito tem nacionalidade turca e chama-se Gökman Tanis, de 37 anos. A notícia foi avançada pela ”Reuters” esta tarde.

Até àquela hora, as autoridades tinham atualizado o balanço de vítimas mortais para três depois de um homem ter entrado num elétrico daquela cidade, no centro do país, e aberto fogo contra os passageiros.

Terrorismo na Holanda: Polícia revela fotografia de suspeito

Inicialmente, o presidente da Câmara de Utrecht começou por avançar que haveria nove feridos, um número que acabou por ser revisto em baixa, havendo cinco pessoas feridas identificadas.

A polícia admite que possa ter havido “motivações terroristas” para o ataque, isto depois de, ao início da tarde, ter identificado o principal suspeito do atentado.

Ler mais
Relacionadas

Terrorismo na Holanda: Polícia revela fotografia de suspeito

O suspeito tem nacionalidade turca e chama-se Gökmen Tanis, de 37 anos. O suspeito de entrar aos tiros num elétrico, que provocou três vítimas mortais e nove feridos, está a ser procurado pela polícia na cidade holandesa de Utrecht.

Tiroteio na Holanda provoca vários feridos e um morto. Polícia fala em “motivos terroristas”

Porta-voz da polícia local, Joost Lanshage, disse: “Vários tiros foram disparados em um bonde e várias pessoas ficaram feridas. Os helicópteros estão no local e ainda não foram feitas detenções”.
Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários