Devolver garrafas de plástico dá direito a vales de compras de até cinco cêntimos a partir de janeiro

Este projeto-piloto vai ser financiado pelo Fundo Ambiental, em 1,7 milhões de euros, estando patente em algumas áreas comerciais até finais de junho de 2021.

Este ano foi anunciado que devolver as garrafas de plástico no supermercado ia dar direito a descontos nos supermercados e grandes superfícies comerciais. O jornal ‘Correio da Manhã’ revela esta segunda-feira, 2 de dezembro, que este projeto-piloto vai começar já no mês de janeiro.

Tal como já tinha sido avançado, quando as garrafas plásticas forem devolvidas às máquinas de recolhas, são processados vales de desconto em compras, sendo que nunca é manuseado dinheiro. O CM apurou que vão ser distribuídas 23 máquinas pelo país, tendo confirmação da instalação das máquinas por parte do Ministério do Ambiente.

A publicação avança que estão a ser contactados fornecedores de máquinas que permitem depositar as embalagens. Na primeira fase, apenas são aceites embalagens de plástico, como as de água e de refrigerante, deixando de fora as garrafas de produtos lácteos, como é exemplo as de iogurtes líquidos.

Sabe-se que as garrafas até 0,5 litros vão ter um reembolso de dois cêntimos, enquanto as entre 0,5l e dois litros vão ter um reembolso na ordem dos cinco cêntimos, tal como foi publicado em Diário da República em julho. Por enquanto, e durante a fase piloto, este será o valor praticado, sendo que o valor poderá aumentar consoante a adesão ao projeto.

Este projeto-piloto vai ser financiado pelo Fundo Ambiental, em 1,7 milhões de euros, estando patente em algumas áreas comerciais até finais de junho de 2021. Posteriormente a esta data, vão ser avaliados os dados para decidir se se avança para um sistema de recolha permanente.

Portugal dos mais poluidores ao nível do plástico

São 77 mil toneladas de plástico por ano que os portugueses utilizam e mais tarde desperdiçam. O território português tem sido o país que mais tem contribuído para o desperdício do material que tem poluído os oceanos, tendo já recebido um aviso da Comissão Europeia. A Comissão Europeia, agora liderada por Ursula von der Leyen, já repreendeu e deixou vários avisos a Portugal, para que o consumo de plástico fosse reduzido, de forma a que as metas de sustentabilidade fossem atingidas.

No início do ano, o governo, pela voz do ministro do Ambiente, anunciou que iria banir os produtos plásticos de uso único até 2020. Nestes produtos incluem-se pratos de plástico, cotonetes plásticos (alguns supermercados adotaram o de bastão de cartão) e também palhinhas de plástico.

Ler mais
Relacionadas

Consumidores vão receber 2 e 5 cêntimos pela devolução de garrafas de plástico

O valor da devolução não vai ser feito em dinheiro mas através de um voucher ou desconto em compras. O projeto-piloto de devolução de garrafas em supermercados vai ser lançado ainda este ano.

Super Bock Group reduz uso de garrafas de plástico em cinco mil toneladas nos últimos 10 anos

A empresa assegura que, adicionalmente, só na unidade em Castelo de Vide, no mesmo período de tempo, conseguiu uma redução de 25% no consumo total de energia e de 20% no consumo de água.

Canadá segue exemplo europeu: Não há plásticos descartáveis a partir de 2021

O primeiro-ministro canadiano explicou que este passo se deveu ao facto de ter dificuldade em explicar aos seus filhos como é que as baleias estavam a dar à costa com os estômagos cheios de plásticos.

Zouri: Como o lixo nas praias está a revolucionar o calçado português

A marca portuguesa 100% ecológica, considera ser “um manifesto à preservação dos oceanos” e tem como objetivo agir como um player relevante no setor da economia circular.

Parlamento Europeu dá luz verde para o fim das palhinhas, loiça descartável e cotonetes

A guerra aos plásticos continua. Foi hoje aprovado o fim das palhinhas, loiça descartável e cotonetes. Nova lei entra em vigor em 2021.

Sustentabilidade: Produtos que foram criados para tirarem o plástico da equação

A luta para substituir um material que não é biodegradável e deixa uma pegada ambiental cada vez mais pesada está a ser travada por muitos consumidores, mas também por algumas empresas criadas para ajudara alterar mentalidades. Começam a aparecer em Portugal alternativas sustentáveis para mudar hábitos de consumo, um produto de cada vez.

Empresas portuguesas ‘declaram guerra’ ao plástico

“Precisamos de viver de forma responsável perante o plástico e isso passa por melhorar e intensificar a informação juntos dos consumidores”. A afirmação é de Vitor Martins da Sonae, que garante que não são só os produtores os grandes responsáveis.
Recomendadas

ONGs propõe limite de pesca da sardinha ibérica seja de 4 mil toneladas para Espanha e Portugal

Cerca de 15 Organizações Não Governamentais do Ambiente, em Portugal e Espanha, têm acompanhado os desenvolvimentos sobre o stock de sardinha ibérica nos últimos anos, e afirmaram estar satisfeitas com o ligeiro aumento de biomassa e recrutamento, mas recusam-se a fazer previsões sobre a recuperação do stock,

Organizações da sociedade civil temem “desastre completo” na conferência do clima

A diretora da Greenpeace afirmou que é “nas horas finais da COP” que se vai ver se a conferência é capaz de “dar resposta à ciência e às pessoas que pedem justiça climática ou se vai deixar os poluidores dominá-la”, o que seria “um desastre completo”.

Greta Thunberg volta a responder a Trump: “Uma adolescente a trabalhar para controlar a sua raiva”

À semelhança do que já tinha feito com Bolsonaro e Putin, a jovem respondeu através do seu perfil nas redes sociais.
Comentários