DGComp impediu Ramalho de prometer flexibilizar o plano acordado em 2017

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, revelou ainda que Bruxelas não lhe permite qualquer flexibilidade para alterar os objetivos acordados no plano de negociação.

António Ramalho disse esta terça-feira aos deputados que poucas pessoas têm noção da preocupação que existia na Comissão Europeia com o caso do Novo Banco e da pouca margem de manobra que as autoridades portuguesas tiveram, designadamente na venda.

A venda do Novo Banco em 2017 ajudou à descida dos juros soberanos. “Era importante fazer esta venda e conseguiu-se o acordo possível”, disse António Ramalho que realçou a importância para o Governo da venda do banco ao Lone Star. “A operação de venda baixou ou juros da república de 4% para 1,9% no fim de 2017”, revelou o CEO do Novo Banco.

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, revelou ainda que Bruxelas não lhe permite qualquer flexibilidade para alterar os objetivos acordados no plano de negociação.

“Antes de chegar aqui, recebi da minha chefe de gabinete a informação que a DGComp (Concorrência europeia) tinha telefonado a dizer que eu, em nenhum momento, deveria dizer que tinha flexibilidade para mudar um único objetivo que fosse” do plano negociado em 2017 com o Estado português.

“O cumprimento dos objetivos foi quase integral, cumprimos 32 dos 33 compromissos, o 33º prende-se com a venda de um ativo de seguros não vida”, revelou António Ramalho, presidente executivo da instituição financeira, na Comissão de Orçamento e Finanças (COF).

O banco tem o compromisso de acabar a reestruturação em 2021, ano em que deverá começar a ter resultados positivos.

Para limpar o balanço foi acordado um mecanismo de capitalização contingente de 3,89 mil milhões de euros, dos quais já só restam 912 milhões.

Ler mais
Relacionadas

“Nós contamos para o défice estes anos, vamos contar para o superavit nos próximos 20 anos”, diz CEO do Novo Banco

O CEO do Novo Banco confessou que esperava ter consigo gerar mais resultados no banco recorrente, mas lembrou que o BCE impôs ao Novo Banco imparidades adicionais de 1,5 mil milhões de euros “o que nos retirou capacidade de financimento pelo banco bom”.

Novo Banco: “Sou o presidente mais mal pago” da história do banco

O CEO salientou ainda que a sua remuneração é 50% da média da remuneração dos presidentes dos outros bancos em Portugal.

Novo Banco vai usar 900 milhões de euros do Mecanismo de Capital Contingente? Ramalho não responde

Presidente do Novo Banco remeteu decisão para o final do ano, sustentando que apenas nessa altura será possível compreender as necessidades de capital.
Recomendadas

Deutsche Bank estima que PIB mundial volte a níveis pré-Covid em meados de 2021

Apesar do tom otimista, o banco alemão também mostra receios sobre as segundas vagas do coronavírus nos Estados Unidos e na Europa, que estão a aumentar a incerteza sobre as perspetivas económicas.
Braga de Macedo, Nuno Cassola

Jorge Braga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes, editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos . Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico, em entrevista, sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais

“Os lucros das guerras mortíferas da droga, as fortunas desviadas de países em desenvolvimento e as economias duramente ganhas e roubadas através do esquema de pirâmide Ponzi têm sido capazes de entrar e sair das instituições financeiras, apesar dos avisos dos próprios funcionários dos bancos”, detalha a investigação realizada por 108 media internacionais, de 88 países.
Comentários