DGS com três cenários de evolução da Covid-19 nos próximos meses

Para estes três cenários, a DGS estudou três fatores constantes. O terceiro cenário apresentado pela entidade liderada por Graça Freitas é o mais grave. Aqui, Portugal enfrenta uma nova variante de Covid-19, a imunidade dura um ano e a mortalidade começa a crescer.

Cristina Bernardo

A Direção-Geral da Saúde emitiu, durante a reunião do Infarmed, três cenários possíveis de acontecerem nos próximos meses relativamente à evolução da pandemia, bem como três respostas, consoante o cenário verificado, que o país deve preparar.

Num primeiro cenário, e de acordo com o especialista Pedro Pinto Leite, Portugal não tem de lidar com uma nova variante de Covid-19 e a imunidade ao vírus durante uma média de três anos. Nesta mesma situação, a DGS perspetiva que a incidência cresça consoante a passagem temporal, sendo que a resposta tem de ser de transição, adequando “as necessidades da população ao estado vacinal e à situação epidemiológica do país”.

O segundo cenário implica que a imunidade dure uma média de um ano, mas que Portugal continue sem lidar com uma nova variante. No entanto, e em consequência do aumento da incidência, os internamentos aumentar. Será neste cenário que a resposta tem de ser de controlo, apertando então as medidas de proteção aos cidadãos.

O terceiro cenário apresentado pela entidade de saúde liderada por Graça Freitas é o mais grave. Aqui, Portugal enfrenta uma nova variante de Covid-19, a imunidade dura um ano e a mortalidade começa a crescer. Será nesta fase que as autoridades de saúde, em conjunto com os cidadãos, têm de dar uma resposta de mitigação.

Para estes três cenários, a DGS estudou três fatores constantes, onde a efetividade vacinal é de 70% para infeção e 95% para hospitalização, 85% da população está vacinada e existem dois momentos de mobilidade com a abertura das escolas e festas e encontros.

Relacionadas

INSA projeta cenário em que regresso às aulas, baixas temperaturas e Natal agravem número de novos casos de Covid-19

O epidemiologista Baltazar Nunes frisa que Portugal encontra-se numa “situação de controlo epidémico”. No entanto, juntamente com a DGS, o INSA desenhou cenários de possível agravamento da pandemia a partir de dezembro, frisando que “isto são cenários, não são projeções”.
Sessão do Infarmed COvid-19

“Estamos no fim de uma fase pandémica”, declara DGS na reunião do Infarmed

A descida da incidência por idade é ainda acompanha por um decréscimo da positividade. “Mostra que mantendo a mesma intensidade de testagem, temos menos vírus em circulação”, tendo Portugal atualmente uma taxa de positividade de 2,5%, abaixo do limiar de 4% definido pelo ECDC.
Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.

Pandemia com tendência crescente entre população acima dos 80 anos

Apesar de manter uma intensidade reduzida e incidência estável, o que resulta em baixa mortalidade e pressão nos serviços de saúde, a pandemia volta a dar sinais de crescimento em quase todas as regiões do país, com o R(t) a nível nacional a chegar a 1,00.
Comentários