Digitalização permite aproximar interior de “novos investimentos”, diz vice-presidente da IP Bragança

O que faz falta é que o interior afirme as suas qualidades: melhor nível de vida, mais tempo, menos tensão. As autoestradas digitais tornam a geografia um mero pormenor.

Cristina Bernardo

A digitalização pode ter um papel fundamental “na fixação de pessoas e no chamamento de novos investimentos” para o interior, disse Albano Alves, vice-presidente da IP Bragança no âmbito do terceiro painel, dedicado ao tema ‘O estado da região e a revolução digital’, do ciclo de conferências ‘Portugal Inteiro’, da responsabilidade da parceria entre a Altice e o Jornal Económico, cujo tema específico é ‘Inovação: o interior como oportunidade’.

Para Nuno Augusto, responsável da incubadora Regia Douro Park, o empreendedorismo qualificado é uma área que precisa de mais relevo – uma vez que tem forte capacidade para trazer para o interior o talento e a qualificação que asseguram a longevidade estes projetos.

Mas “as autoestradas da comunicação no interior ainda são muito limitadas”, nomeadamente no que tem a ver com a fibra ótica, recordou Nuno Augusto, para quem alguns projetos industriais convivem mal com estradas demasiado ‘engarrafadas’.

Para Albano Alves, “o interior tem alguma vantagem no digital: há cada vez mais procura das pequenas cidades, por causa da rotatividade que se faz sentir nas grandes cidades” – para além do custo e da qualidade de vida muito superior. Ora, essa rotatividade tem custos enormes para as empresas, que constantemente vêem os seus profissionais deixarem projetos a meio caminho.

“Não é fácil atrair profissionais para o interior”, pelo que a solução é atrair alunos, disse ainda. Esse é o papel da academia.

Nuno Augusto esteve de acordo com este ponto de vista, tendo acrescentado que, no caso de Vila Real, “já temos o resto: boas ligações rodoviárias, boas escolas e uma região não massificada, onde o custo de vida é muito diferente”.

“A dificuldade não é a questão do financiamento, mas sim uma questão de mentalidade das empresas”, referiu. Ou seja, há aqui também o problema de falta de conhecimento que obriga “a uma capacitação” de quem decide relativamente ao que profundamente pode querer dizer ‘investir no interior’.

“Lisboa continua a ser um polo de atração muito forte, assim como o é o Porto, mas temos conseguido dar a volta com a afirmação do que de bom se faz aqui”, disse Albano Alves.

Ler mais
Recomendadas

‘Portugal Inteiro’: descentralização continua a ser um imperativo de desenvolvimento

Silva Peneda, presidente do Conselho Geral da UTAD, e Rui Santos, presidente da Câmara de Vila Real, convergem na necessidade de o país largar as amarras das áreas metropolitanas.

Inovação é a forma de manter população no interior

A aposta na inovação é um dos factores fundamentais para a criação de condições para a fixação de talento no interior. O tema ‘Como fomentar a inovação no interior?’ foi debatido no ciclo de conferências ‘Portugal Inteiro’, resultado da parceria entre a Altice e o Jornal Económico.

Imprensa regional ainda tem lugar no interior do país, garantem meios de comunicação social

Que mecanismos podem manter vivos os media que batalham, no interior, pela sua sobrevivência? Um debate que não tem facilidade em chegar a uma solução, segundo Luís Mendonça, da Universidade FM/Notícias de Vila Real, António Pereira, do “Diário de Trás-os-Montes”, Luís Castro, da RTP, e João Vilela, do “Voz de Trás-os-Montes”.
Comentários