Direito e tecnologia em debate na Abreu: “Se as empresas são afetadas pela revolução tecnológica os advogados têm de estar preparados”

O Instituto do Conhecimento da sociedade Abreu Advogados organiza a segunda edição da conferência Lisbon, Law & Tech, entre os dias 23 e 26 de novembro.

O Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados vai voltar a reunir especialistas em legaltech, desta vez num formato digital, para debater e aprofundar a digitalização da justiça, a regulação da Inteligência Artificial (IA), técnicas de design thinking aplicada ao Direito e a utilização da tecnologia na prestação de serviços jurídicos.

A segunda edição da conferência internacional “Lisbon, Law & Tech” começa esta segunda-feira e decorre nos próximos quatro dias com um painel diário. Entre os oradores deste evento estão o escritor britânico Richard Susskind, autor de “Tomorrow’s Lawyers” e de “Online Courts and the Future of Justice”, e o norte-americano Joshua Walker, autor de “On Legal AI” e cofundador do Centro de Informática Jurídica de Stanford e da Lex Machina, a primeira startup de analítica jurídica (ver programa completo abaixo).

Para Luís Barreto Xavier, consultor e responsável pela área da inovação da Abreu, o investimento em tecnologia tem vindo a ser feito – a maior ou menor escala consoante as empresas – mas o que está em causa é a perceção da mudança de paradigma, de maneira de pensar a estratégia e cultura organizacional. “A inovação pode não ser apenas tecnológica”, diz ao Jornal Económico (JE).

“Os advogados têm como clientes, além dos clientes individuais, fundamentalmente as empresas, que transversalmente estão a ser afetadas pela transformação digital e pela tecnologia. Portanto, se os clientes da advocacia são eles próprios afetados pela revolução tecnológica, os advogados têm de estar preparados para os defender e aconselhar num mundo que é diferente. Passam sobretudo a ser não um centro de custo para a empresa, mas parceiros no negócio”, afirma o coordenador do instituto que promove a conferência.

Além de os processos de entrega de serviços e de comunicação com os clientes, due diligence, entre outros, estarem cada vez mais digitalizados, o mesmo acontece com os tribunais. “O próprio mundo do Direito, dos tribunais, também atravessa uma transformação tecnológica, porque há instrumentos de IA e automação que vão afetando fortemente o modo como os serviços jurídicos são prestados pelos advogados ou o modo como os tribunais funcionam. Os tribunais em Portugal têm processos informáticos, em que os advogados entregam as peças processuais através Citius e de outros sistemas. No futuro coloca-se o problema da intervenção da IA para auxiliar o trabalho dos próprios juízes”, refere Luís Barreto Xavier ao JE.

Programa da Lisbon, Law & Tech

Segunda-feira, 23 de novembro (11h00)

Online Courts and Justice in Times of Pandemics”, moderado por Carmo Sousa Machado, sócia da Abreu e vice-presidente da Ordem dos Advogados

  • Richard Susskind (escritor e presidente da Society for Computers and Law – Reino Unido)
  • Maria dos Prazeres Beleza (juíza conselheira e vice-presidente do Supremo Tribunal de Justiça)
  • Pedro Barosa (sócio da Abreu na área de contencioso penal e contraordenacional)

Terça-feira, 24 de novembro (11h00)

Legal Design: Interfaces between Law and Design”, moderado pelo sócio Ricardo Henriques

  • Meera Klemola (especialista em design jurídico – Finlândia)
  • Alexandre Zavaglia (CEO da Legal Score – Brasil)

Quarta-feira, 25 de novembro (11h00)

Global Trends and Regulation in Artificial Intelligence”, moderado pelo consultor Helder Galvão

  • Eduardo Magrani (membro sénior da Fundação Konrad Adenauer – Alemanha)
  • Dora Kaufman (investigador em IA – Brasil)
  • Manuel Levi (CEO da Enlightenment AI – Reino Unido)

Quinta-feira, 26 de novembro (11h00)

On Legal Engineering”, moderado por Luís Barreto Xavier

  • Joshua Walker (escritor e cofundador da CodeX e Lex Machina – EUA)
  • Encerramento: Duarte de Athayde (managing partner da Abreu)

O evento conta ainda com o apoio da Católica Global School of Law e da Associação de Jovens Advogados Portugueses.

Ler mais
Recomendadas

Fusões e aquisições em Portugal caíram mas valor movimentado aumentou 5% em 2020

Apesar de ter sido (novamente) o mais ativo, o sector do imobiliário apresentou uma redução de 16% no volume de negócios, com 88 transações de compra e venda. A operação em destaque no quarto trimestre foi a conclusão da aquisição de 81,1% do capital da Brisa pelo consórcio liderado pela APG Asset Management, por 2,4 mil milhões de euros.

PremiumDuarte de Athayde: “Apesar da crise, o nosso volume de negócios subiu 13%”

O ‘managing partner’ da Abreu Advogados refere que, apesar do travão que as restrições causaram, a sociedade teve uma subida de, pelo menos, 18% na cobrança de honorários.

PremiumOrdem recebe queixas de inscrições indevidas na Segurança Social

A sustentabilidade da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores está em debate na AR. Jovens defendem que firmas devem comparticipar.
Comentários