“Para trabalhar, não se pode usar saia travada”. Discurso de Câmara Pereira de apoio a Cristas torna-se viral

O vice-presidente do PPM alegou, durante o seu discurso, que a candidata, Assunção Cristas, enquanto mulher, “sabe bem que, para se trabalhar, não se pode usar espartilho nem a saia travada, a saia tem de ser larga e, se necessário, vestir calças”.

As palavras do vice-presidente do Partido Popular Monárquico (PPM) no discurso que fez de apoio à candidatura de Assunção Cristas à Câmara Municipal de Lisboa, em que disse que a presidente do CDS-PP “não descurou o trabalho e não descurou a casa” tornaram-se virais nas redes sociais e alvo de diversas críticas.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, assinou no domingo, 14 de maio, um acordo de coligação com o MPT (Partido da Terra) e o PPM (Partido Popular Monárquico), para a candidatura autárquica a Lisboa. Gonçalo da Câmara Pereira, vice-presidente do PPM, defendeu que, para trabalhar, “a saia tem de ser larga e, se necessário, vestir calças”, noticia a Lusa.

Câmara Pereira iniciou o seu discurso enaltecendo a “experiência académica, social e política” de Cristas, afirmando que, “acima de tudo”, a presidente do CDS-PP é “uma mulher casada, que provou, como a maioria das portuguesas que pode trabalhar e ter filhos”, uma vez que “não descurou o trabalho e não descurou a casa”, avança a agência noticiosa.

Após o acordo assinado pelos três partidos, na sede do CDS-PP, o vice-presidente do PPM afirmou que, de momento, Lisboa é “agradável à vista e fotogénica, mas de espartilho e saia travada”.

“Como mulher, a drª Assunção Cristas sabe bem que, para se trabalhar, não se pode usar espartilho nem a saia travada, a saia tem de ser larga e, se necessário, vestir calças, calças que ultimamente não se sabe onde andam, custam a ver”, alegou.

Gonçalo da Câmara Pereira “condenou” o atual presidente da Câmara, Fernando Medina, afirmando que este tornou a capital portuguesa numa “cidade de ócio”, com muitas bicicletas e “corridinhas em fato de treino”, restringindo a circulação automóvel de quem trabalha e vive em Lisboa, relata a Lusa.

Estas palavras tornaram-se virais nas redes sociais, suscitando reações várias, como a da autora Inês Pedrosa, que comentou no Twitter que “o discurso de apoio do Gonçalo Câmara Pereira já começou a tirar votos à Assunção Cristas”.

“Há amores funestos”, afirmou.

Este foi um de outros, em que o discurso de Câmara Pereira foi apelidado, por exemplo, de “desastre”, por Rodrigo Saraiva, ou “machista, marialva e a roçar a xenofobia”, por André Beja.

No Facebook, o ator Manel Moreira, reagiu na sua página do Facebook.

Dos comentários de desagrado ao discurso do vice-presidente do PPM, são vários os que alegam ter achado que se tratava de uma piada.

“Pensei que tivesses feito uma piada. Fui ler. Infelizmente, é verdade”, disse Mariana Freixo; “Eu achei que era a gozar!”, comentou Ana Simões.

Ler mais

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários