Diversificação é a chave para melhoria do ‘rating’ da dívida da Região

O peso da dívida e a fraco desempenho orçamental são entraves para a saída do ‘lixo’. Crescimento contínuo e mais diversificado ajudariam, dizem analistas.

Em abril, a Madeira esteve sob os holofotes das duas agências de notação que cobrem a dívida da região. Entre alguns elogios e críticas, a única alteração prática foi a melhoria da perspetiva pela canadiana DBRS de um ‘rating’ que manteve em ‘BB’. A Moody’s deixou inalterada em ‘Baa3’ e com perspetiva estável.

Se, por um lado, a melhoria no outlook efetuada pela DBRS poderá servir de otimismo em relação ao caminho da saída da zona de ‘lixo’, por outro os reparos das duas agências sinalizam que esse percurso ainda é longo, segundo os analistas contatados pelo Económico Madeira.

As duas agências salientaram que o rating da Região Autónoma pode subir caso a melhoria nos indicadores económicos e a diversificação continuem. No entanto, emitiram alertas relativamente ao excesso de endividamento e à fraca performance fiscal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de maio.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/rating-de-portugal/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”53″ slug=”rating-de-portugal” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/rating-de-portugal/thumbnail?version=1554734174772&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.sapo.pt” mce-placeholder=”1″]

Recomendadas

Eduardo Jesus: Madeira com boas taxas de ocupação e indicadores “muitíssimo positivos” para este verão

Eduardo Jesus realçou que a Madeira teve desde o início da pandemia a preocupação de encontrar na pandemia uma oportunidade de afirmação do destino, que passou por estabilizar a confiança dos viajantes.

Madeira: Coligação PSD/CDS entrega lista de candidatos à Câmara do Funchal

O candidato e Vice-Presidente do Governo Regional fez questão de assumiu o compromisso de sair do Governo antes das eleições.

Funchal: Miguel Silva Gouveia destaca papel da cultura na inclusão das comunidades

A Câmara assinou um protocolo, no valor de 15 mil euros, com o CRIA, para um projeto com a duração de três meses que já está a ser desenvolvido junto comunidade africana que reside no Bairro da Nazaré.
Comentários