Diversificação é a chave para melhoria do ‘rating’ da dívida da Região

O peso da dívida e a fraco desempenho orçamental são entraves para a saída do ‘lixo’. Crescimento contínuo e mais diversificado ajudariam, dizem analistas.

Em abril, a Madeira esteve sob os holofotes das duas agências de notação que cobrem a dívida da região. Entre alguns elogios e críticas, a única alteração prática foi a melhoria da perspetiva pela canadiana DBRS de um ‘rating’ que manteve em ‘BB’. A Moody’s deixou inalterada em ‘Baa3’ e com perspetiva estável.

Se, por um lado, a melhoria no outlook efetuada pela DBRS poderá servir de otimismo em relação ao caminho da saída da zona de ‘lixo’, por outro os reparos das duas agências sinalizam que esse percurso ainda é longo, segundo os analistas contatados pelo Económico Madeira.

As duas agências salientaram que o rating da Região Autónoma pode subir caso a melhoria nos indicadores económicos e a diversificação continuem. No entanto, emitiram alertas relativamente ao excesso de endividamento e à fraca performance fiscal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de maio.

Recomendadas

Saiba que seguros deve contratar num crédito à habitação

Para além do seguro vida, existe ainda outro seguro exigido pelos bancos. Referimo-nos ao seguro multirrisco, que visa, sobretudo, contratar a proteção da casa. Este tipo de seguro apresenta cobertura contra incêndios e fenómenos sísmicos. Também neste caso, o consumidor pode contratar noutra instituição que não a do banco onde conseguiu o crédito habitação.

JPP defende baixa do IVA na restauração para a taxa mais reduzida

Para o partido esta descida ajudava na liquidez e permitiria desafogar a carga fiscal das empresas.

Presidente da Assembleia da Madeira insiste em apoio europeu urgente a empresas e sociedade

O presidente da Assembleia da Madeira alertou para as consequências provocadas pela pandemia, nas áreas da saúde, económicas, e sociais , reforçando que as pessoas “estão a passar grandes privações, é preciso que a ‘bazuca financeira’ seja disparada rapidamente”.
Comentários