PremiumDívida do PS é superior à soma dos passivos dos outros partidos

Dívida dos socialistas ronda os 20 milhões de euros. Partido tem plano para abater passivo e espera conseguir reequilibrar contas “nos próximos anos”.

Apesar de ter apresentado um lucro superior a 572 mil euros em 2019, o Partido Socialista (PS) continua a ser o partido mais endividado entre as forças políticas com representação na Assembleia da República. Ao que o JE conseguiu apurar, a direção socialista reduziu o passivo para cerca de 19,89 milhões de euros, até ao final do ano passado, mas, ainda assim, o endividamente do PS é superior ao conjunto da dívida dos restantes partidos com assento parlamentar.

O total do passivo dos nove partidos que estão representados no Parlamento – à exceção do PCP e PAN que não adiantaram ao JE os números que fizeram chegar à Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) na passada sexta-feira e que serão tornados públicos na próxima semana – ronda os 10,23 milhões de euros. O montante corresponde a pouco mais de metade do total de endividamento registado pelos socialistas em 2019. Mesmo se a esse valor se juntar a soma do passivo do PCP e PAN em 2018 (2,52 milhões de euros), o montante final não chega a dois terços da dívida do PS.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumRegião atinge pleno na ANAM

O presidente da ANAM diz que o pleno da Madeira mostra vontade política de valorizar poder municipal.

PremiumNetanyahu recusou tornar-se presidente para sossegar aliados

Likud tentou convencer o seu líder a desistir de ser primeiro-ministro, mas este não aceitou a solução, arruinando as negociações com os partidos de direita.

PremiumPoke House expande rede em Portugal, França e Reino Unido

A cadeia de restauração de inspiração havaiana e californiana concluiu com sucesso uma ronda de financiamento de 20 milhões de euros. O grupo luso-italiano pretende abrir 200 novos restaurantes na Europa e atingir uma faturação de 40 milhões este ano.
Comentários