Donald Trump não vai estar presente na Assembleia-Geral da ONU

Em agosto, o Presidente norte-americano tinha anunciado que pretendia discursar na sala da Assembleia-Geral em Nova Iorque, apesar de os líderes de outros países não poderem estar presentes, por causa da pandemia de covid-19.

O Presidente dos Estados Unidos não vai estar presente no encontro de líderes da Assembleia-Geral da ONU, na próxima semana, ao contrário do que tinha afirmado no mês passado, anunciou fonte oficial.

O anúncio foi feito pelo chefe de gabinete de Donald Trump, Mark Meadows, a jornalistas que viajavam no Air Force One, o avião presidencial.

Em agosto, o Presidente norte-americano tinha anunciado que pretendia discursar na sala da Assembleia-Geral em Nova Iorque, apesar de os líderes de outros países não poderem estar presentes, por causa da pandemia de covid-19.

A reunião anual dos líderes mundiais na Assembleia Geral da ONU realiza-se este ano em formato principalmente virtual, com os chefes de Estado a proferirem discursos pré-gravados e a presença física de um diplomata de cada Estado-membro.

Os trabalhos da 75.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU arrancaram na terça-feira, em Nova Iorque, com a participação dos líderes mundiais, por videoconferência, agendada a partir de 22 de setembro.

Esta é a primeira vez na história da organização que o encontro se realiza em formato virtual, por causa da atual crise pandémica.

Durante a abertura do encontro anual, na terça-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, considerou que 2021 será “um ano crítico” para as Nações Unidas, defendendo a necessidade de reforçar “os sistemas de saúde” e de promover a “paz e segurança, desarmamento, direitos humanos, igualdade de género e desenvolvimento sustentável”.

Guterres advertiu ainda contra os riscos do unilateralismo no combate à pandemia e apelou a um novo compromisso para a cooperação global, que permita igualmente a distribuição justa e equitativa de vacinas.

Ler mais
Recomendadas

Portugal pode ter papel central na definição da política da UE para África

O relatório aponta que Portugal “está em sintonia” com a proposta da Comissão Europeia, apresentada em março, para uma nova relação estratégica com África, que “recomenda uma relação mais forte e equilibrada entre as partes, inclusive através da cooperação em áreas-chave como a transição verde, a transformação digital, o crescimento e emprego sustentável, a paz e a governança e a migração e mobilidade”.

Eleições EUA: Irão e Rússia estão a tentar interferir nas presidenciais

Em relação à Rússia, o diretor nacional dos serviços de informação disse não haver provas até ao momento de que tenha utilizado as informações que obteve.

UE: Presidência portuguesa pode contribuir para relação pragmática com China

Portugal tem “uma das ligações mais antigas de qualquer país europeu com a China” e, “com a exceção do Estado Novo de Salazar, as relações entre os dois países sempre foram estáveis e frutíferas”.
Comentários