Donald Trump sugere que a vacina da Covid-19 deverá estar pronta perto da data das eleições nos EUA

Apesar de não ter avançado com um prazo especifico durante a conferência de imprensa, a garantia de que uma vacina poderia estar pronta antes das eleições em novembro foi dada. “Acho que em alguns casos é possível ter antes [das eleições],” começou por referir. “Mas por volta dessa altura é mais certo”.

Donald Trump | DOUG MILLS/GETTY IMAGES

O presidente norte-americano sugeriu que uma vacina para o novo coronavírus poderá estar pronta para ser  fabricada antes das eleições em novembro, apesar da task force e os especialistas norte-americanos dizerem que a data prevista por Trump está muito longe de ser uma realidade.

Durante uma conferência de imprensa, esta quarta-feira, Donald Trump anunciou que estão a conciliar esforços entre a “rapidez e segurança” para assegurar que “esteja disponível uma vacina este ano, talvez no final no ano”.

“Estamos a produzir em massa a candidata mais promissora à vacina para estarmos prontos imediatamente assim que tivermos a aprovação”, continuou. “É tudo uma questão de logística”, assegurou o inquilino da Casa Branca.

Apesar de não ter avançado com um prazo especifico durante a conferência de imprensa, a garantia de que uma vacina poderia estar pronta antes das eleições foi dada numa entrevista a Geraldo Rivera.

“Acho que em alguns casos é possível ter antes [das eleições],” começou por referir. “Mas por volta dessa altura é mais certo”.

As alegações do presidente não correspondem às previsões de grande parte dos especialistas e da Organização Mundial de Saúde (OMS), que não prevêem uma vacina, pelo menos, até 2021. Anthony Fauci, o imonulogista, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas e conselheiro do presidente, foi mais longe ao dizer que só espera uma solução “vários meses” mais tarde em 2021.

Durante a mesma entrevista ao “Washington Post”, Fauci diz manter-se “um pouco céptico” em relação à possibilidade de ter uma vacina disponível ao público até ao final do ano.

“É o que é”, diz Trump sobre as mortes por Covid-19:

A taxa de mortalidade por Covid-19 nos EUA é atualmente a mais alta, de acordo com os dados oficiais da universidade John Hopkins. Desde o início da pandemia no país, os Estados Unidos contabilizam mais de 161 mil mortes. Nas últimas 24 horas, registaram-se mais 78 vítimas mortais.

Em entrevista à “Axios”, emitida esta quarta-feira pela “HBO”, Donald Trump descarta a gravidade da situação insistindo que o impacto da Covid-19 no país está sob controle. Sob as mortes, o presidente diz: “É o que é”.

“Estão pessoas a morrer. É verdade. É o que é”, rematou. “Mas isso não significa que não estamos a fazer tudo o que conseguimos. Temos a situação controlada dentro dos possíveis”, assegurou.

Quando pressionado sobre o número de mortos nos EUA, Trump repetidamente analisou a proporção de mortes por casos confirmados de coronavírus, em vez da proporção de mortes pela população dos EUA, um número que é indiscutivelmente mais revelador quanto ao estado da pandemia no país, dado que os EUA têm menos de 5% da população mundial, mas cerca de 25% das mortes globais causadas por Covid-19.

“Aqui mesmo”, apontou para a folha com os dados. “Os EUA estão mais baixo em inúmeras categorias. Estamos mais baixo no mundo todo, mais baixo que a Europa”, referiu.

Na verdade, os oficiais da task force da Casa Branca alertaram recentemente que a pandemia nos EUA não mostra sinais de abrandamento. No domingo, a Dra. Deborah Birx, coordenadora de respostas do grupo, disse que o país estão a atravessar uma nova fase da pandemia em que o vírus “é extraordinariamente generalizado”. Na segunda-feira, Trump respondeu às declarações da especialista chamando Birx de “patética”.

Sabe-se que mais de 161 mil norte-americanos morreram devido à Covid-19, um valor que deve chegar aos 173 mil a 22 de agosto, de acordo com uma nova previsão composta pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. É uma média de quase mil mortes nos EUA todos os dias nos próximos 30 dias.

Ler mais
Recomendadas

Banco HSBC permitiu transferência fraudulenta de milhões

O banco britânico permitiu que fossem transferidos milhões de dólares para todo o mundo de forma fraudulenta, mesmo depois de ter tomado conhecimento do que se passava.

Justiça angolana manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

A justiça angolana ordenou o encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, estando o processo de selagem a ser feito “de forma gradual”.

Novo ataque contra autocarros faz dois mortos no centro de Moçambique

Um ataque armado contra uma coluna de quatro autocarros de passageiros escoltados pela polícia no centro de Moçambique provocou dois mortos e oito feridos
Comentários