Premium‘Dragões’ e ‘leões’ com os olhos no título e nos milhões

FC Porto e Sporting CP entram em campo separados por 10 pontos. Em causa está não só o título nacional, como a própria entrada direta na Liga dos Campeões que, no caso dos portistas, poderá levar a vendas de jogadores devido ao fair-play financeiro.

O clássico marcado para sábado, 27 de fevereiro, entre o FC Porto e o Sporting CP poderá ditar o que resta da história do campeonato 2020-2021. Os ‘leões’ de Rúben Amorim chegam ao estádio do Dragão invictos na liderança e com uma vantagem de 10 pontos para os ‘dragões’ que seguem no segundo lugar, mas apenas com SC Braga e SL Benfica a um e cinco pontos de atraso, respetivamente.

Sabendo-se que os dois primeiros classificados entram diretamente na fase de grupos da Liga dos Campeões, com o terceiro a ter de jogar uma pré-eliminatória, é fácil de ver que neste encontro está mais do que a luta pelo título de campeão nacional em jogo, dado que os milhões da Champions são fundamentais para as equipas portuguesas, dado serem a sua principal fonte de receitas. “A Liga dos Campeões não é só os prémios que dá à cabeça, tem depois a montra para os jogadores, a valorização dos ativos, a atratividade dos patrocinadores, portanto acaba por ser um produto dentro do futebol ao qual todos querem estar associados”, refere ao Jornal Económico (JE) o economista e membro do painel do programa Jogo Económico, Diogo Luís.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Paragem da Liga portuguesa a 10 jornadas do fim com impacto significativo nas SADs na época passada, estima EY

De acordo com a análise de Miguel Farinha, partner e líder de Strategy and Transactions da EY, que consta da quarta edição do Anuário do Futebol Profissional Português, produzido pela EY, numa parceria com a Liga Portugal, este valor “fica aquém da real dimensão da indústria, uma vez que não contempla impactos indiretos e induzidos”.

Diminuição de receitas no futebol português reduziu contribuição para o PIB na época passada para 494 milhões (com áudio)

Em comparação com a temporada de 2018/19, e de acordo com o anuário da Liga, a época passada trouxe uma quebra de 55 milhões de euros na contribuição do PIB, com a seguinte distribuição pelas três Ligas consideradas: Liga NOS (480 milhões); Liga Pro (9 milhões) e Liga Portugal (5 milhões).

Futebol em Portugal pagou mais de 142 milhões de euros em impostos na época passada

Valor produzido em impostos representa uma diminuição de 4,8% face à temporada de 2018/19, época em que se registou uma contribuição a este nível de 150 milhões de euros.
Comentários