“É fundamental deixar de exigir teste de Covid”, aponta CDS sobre restrições a hotelaria e restauração

Segundo a porta-voz dos centristas, o partido “entende que não é possível responder ao país com mais medidas restritivas.

A porta-voz do CDS-PP, Cecília Anacoreta Correia, admitiu ser “fundamental deixar de exigir teste de covid” para aceder aos serviços de hotelaria e restauração depois de reunião com especialistas no Infarmed, esta terça-feira.

“Ao nível da economia, é fundamental diminuir as restrições que existem designadamente os horários de funcionamento da hotelaria, dos restaurantes, dos supermercados. É fundamental deixar de exigir teste de covid para se aceder a estes serviços porque é desproporcionada esta exigência”, explicou Cecília Anacoreta Correia, acrescentando que “os cidadãos estão meses à espera por uma certidão, por um passaporte, por uma licença e isto é incompatível com o funcionamento normal de uma economia”

Segundo a porta-voz dos centristas o partido “entende que não é possível responder ao país com mais medidas restritivas. Mais um verão sem verão significa o fecho de muitos negócios, significa perspetivar o futuro com dividas e desemprego para muitas famílias”. “Por isso o CDS entende que é tempo de devolver a liberdade às empresas e às pessoas”, destacou.

Relativamente ao sector da Saúde, o CDS “apela de novo para a implementação da via verde de saúde que há um ano atrás apresentamos ao Parlamento para que quem não tem acesso a uma consulta possa ter acesso à Saúde fora do SNS [Serviço Nacional de Saúde]”.

“É também fundamental olhar para a Saúde mental e para a falta de respostas para este problema. Os centros de saúde não estão dotados de psicólogas e só por isso mesmo com condições económicas conseguem encontrar respostas para este tipo de problemas”, rematou Cecília Anacoreta Correia.

Relacionadas

PEV e PAN defendem que alívio de restrições estão reunidas

“Temos todas as condições para o fazer”, disse Mariana Silva, deputada do PEV, acrescentando que os cuidados individuais e coletivos estão a ser incutidos aos portugueses há um ano e meio.

PSD saúda revisão da “matriz de risco” e pede que “recomendações se reflitam no Conselho de Ministros”

o PSD “espera que aquilo que são as recomendações dos especialistas sejam refletidas rapidamente no conselho de ministros” e que esta articulação com os sectores mais afetados da economia, como é o caso do turismo.
José Luís Carneiro no Infarmed

PS: “Todos devem contribuir para que imunização ocorra em todo o país”

José Luís Carneiro afirmou esta terça-feira, após a reunião do Infarmed, onde esteve presente, que a “campanha de vacinação está a conseguir alcançar os seus resultados porque tem permitido diminuir a incidência”.
Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Peritos apostam na vacinação, testagem, medidas sanitárias e gestão de risco

A testagem foi igualmente defendida pela especialista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Neste aspeto, sobressaiu a defesa de um ajuste nas estratégias de testagem, através da “identificação de populações de maior risco e promoção dos testes gratuitos” em locais validados e incluindo grupos vacinados.
Comentários