Gulbenkian concluiu venda da Partex aos tailandeses da PTTEP

A operação teve um valor de 622 milhões de dólares, conforme anunciado pela Fundação Calouste Gulbenkian, em junho. Partex representava cerca de 18% dos investimentos totais da Fundação.

A Fundação Calouste Gulbenkian anunciou esta segunda-feira que concluiu o acordo com os tailandeses da PTT Exploration and Production  (PTTEP) para vender a gestora de ativos petrolíferos Partex por 622 milhões de dólares (cerca de 555 milhões de euros).

“Depois do acordo de venda, assinado a 17 de junho deste ano, e obtidas todas as autorizações necessárias, foram hoje assinados os documentos finais que permitem a esta prestigiada empresa tailandesa de exploração e produção de petróleo assumir o controlo da Partex, valorizando a sua história, a elevada qualidade do seu portefólio e a solidez da sua gestão e dos seus colaboradores”, explica a Fundação Calouste Gulbenkian em comunicado.

A operação teve um valor de 622 milhões de dólares, conforme anunciado pela Fundação Calouste Gulbenkian em junho.

“Este é um momento especialmente relevante uma vez que este desinvestimento na Partex, um ativo que representava cerca de 18% dos investimentos totais, permite alinhar a Fundação com a visão de futuro sustentável que partilha com outras grandes fundações internacionais”, refere a Fundação.

A Partex, foi criada em 1939 por Calouste Gulbenkian e participou nos grandes projetos do desenvolvimento da indústria no Médio Oriente. Além de continuar a deter participações minoritárias em projetos de gás em Abu Dhabi e no Omã, a empresa tem também posições no campo petrolífero gigante de Dunga, no Cazaquistão, no bloco 17/06 em Angola e nas bacias de Potiguar e Sergipe-Alagoas, no Brasil.

“O Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian congratula-se com a conclusão do processo, que permitirá o crescimento e expansão da Partex e a sua entrada num novo ciclo de desenvolvimento”, refere o organismo.

A PTTEP é uma empresa pública, cotada na Bolsa da Tailândia, que integra os índices Dow Jones Sustainability. A operar desde 1985, tem 46 projetos petrolíferos em 12 países espalhados pelo mundo, explica o comunicado. Em junho, explicou que pretende utilizar a Partex como uma plataforma de crescimento, alargando as relações que a empresa hoje detém nos países em que opera.

Fundação Gulbenkian vende Partex aos tailandeses da PTTEP por 622 milhões de dólares

(Atualizado às 12 horas)

Ler mais
Relacionadas

Trabalhadores da Partex tentam impugnar venda da petrolífera à tailandesa PTTEP

Advogado que representa os trabalhadores o pedido de impugnação deu entrada na primeira quinzena de setembro, perto do limite do prazo de três meses previsto na lei para o efeito, e resultou apenas de “exigências de cautela de patrocínio, para não deixar passar prazos”,

“Partex dará mais-valia superior a 100 milhões de dólares”

À margem da divulgação da venda da Partex à tailandesa PTTEP, Isabel Mota falou ao JE e admitiu que o preço foi superior ao previsto.

Fundação Gulbenkian vende Partex aos tailandeses da PTTEP por 622 milhões de dólares

A Partex, criada em 1939 por Calouste Gulbenkian, participou nos grandes projetos do desenvolvimento da indústria no Médio Oriente. Após o processo da venda aos chineses da CEFC ter falhado no ano passado, a Fundação concretiza agora a venda da gestora de ativos petrolíferos por cerca de 555 milhões de euros.
Recomendadas

Justiça e Banco de Portugal avaliam benefícios da comunicação eletrónica com tribunais

Protocolo celebrado entre IGFEJ e BdP permitirá que as cerca de 50 mil notificações anuais, que anteriormente eram feitas em carta por via postal, entre os tribunais e o Banco de Portugal passarão agora a ser feitas por via eletrónica.

Receitas da Altice Portugal crescem 2,1%, para 536 milhões de euros no terceiro trimestre

O crescimento das receitas foi sustentado sobretudo pelo segmento do consumo, Base de clientes da da empresa de telecomunicações cresceu “pelo oitavo trimestre consecutivo”.

Lítio em Portugal é explorado em conjunto com outros minérios para produzir cerâmica

Portugal produz lítio, mas não existem minas dedicadas exclusivamente à exploração de lítio, que é extraído em conjunto com outros minérios para produzir cerâmica.
Comentários