Easyjet vai despedir 30% dos seus trabalhadores

A empresa pretende assim despedir 4.500 trabalhadores. A companhia aérea britânica emprega mais de 15 mil pessoas em oito países da Europa.

A companhia aérea britânica easyJet vai despedir 30% dos seus trabalhadores, o equivalente 4.500 empregos, bem como a diminuição da sua frota de aeronaves devido à crise que se instalou no setor provocada pela pandemia do coronavírus, conta a agência “Reuters” esta quinta-feira, 28 de maio.

A easyJet emprega mais de 15 mil pessoas em oito países da Europa vai fazer cortes mais profundos do que as suas rivais low-cost, como a Ryanair que já anunciou a saída de 15% da sua equipa e a Wizz que vai reduzir a sua força de trabalho em 19%.

“Queremos garantir que emergimos da pandemia com um negócio ainda mais competitivo do que antes, para que a easyJet possa prosperar no futuro”, referiu em comunicado Johan Lundgren, presidente executivo da companhia aérea.

A Ryanair, a British Airways e a Virgin Atlantic anunciaram no último mês 18 mil cortes de postos de trabalho entre as três companhias aéreas. A easyJet vai regressar aos céus com algumas rotas a partir de 15 de junho, enfrenta também uma luta na sua estrutura acionista.

Na última sexta-feira o principal acionista da companhia aérea, Stelios Haji-Ioannou, pediu as demissões do administrador financeiro, Andrew Findlay, Johan Lundgren e do presidente John Barton. Em  causa estava um contrato multimilionário com a Airbus.

Contudo, em assembleia geral a maioria dos acionistas votou a favor da manutenção dos três gestores, mas no dia de ontem Andrew Findlay revelou que vai abandonar a companhia em maio de 2021.

A EasyJet espera reduzir a sua frota de aeronaves para cerca de 302 aviões, menos 51 do que tinha previsto para o final de 2021 antes da pandemia da Covid-19.

Recomendadas

Do “Cartão Vermelho” ao “Fora de Jogo”: como combater as ilegalidades do futebol português? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Presidente da República diz que Alemanha e Volkswagen prometeram e cumpriram com Portugal

“A Autoeuropa correu bem porque, em primeiro lugar – como já disse o senhor primeiro-ministro -, nós mostrámos que éramos capazes de fazer bem feito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que os portugueses também demonstraram ser capazes de ser consistentes na produção de qualidade, capacidade de resiliência e de inovação.

Portuguesa Blue Oasis Technology foi uma das startups vencedoras do programa das fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian

A empresa, com menos de um ano de vida, desenha, constrói e instala “recifes” artificiais que permitem a, recuperação de ecossistemas marinhos danificados e a reversão do declínio da biodiversidade do oceano. Noruegueses da Tekslo Seafood e argentinos da FeedVax também se destacaram.
Comentários