Economia estabiliza no terceiro trimestre, com PIB a crescer 1,9%

INE revela que economia cresceu ao mesmo ritmo do trimestre anterior, em termos homólogos. Na evolução em cadeia, contudo, verifica-se uma desaceleração para 0,3%.

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,9% no terceiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, mantendo a mesma taxa de crescimento homóloga do trimestre anterior.

Segundo a estimativa rápida divulgada esta quinta-feira pelo INE, a procura interna registou um contributo positivo para a variação homóloga do PIB semelhante ao observado no segundo trimestre, “verificando-se uma aceleração do consumo privado, enquanto o investimento registou um crescimento menos intenso”.

O contributo da procura externa líquida manteve-se negativo, “observando-se uma aceleração das importações e das exportações de bens e serviços”.

Apesar da estabilização do PIB em termos homólogos, registou-se uma desaceleração na evolução em cadeia. Comparativamente com o segundo trimestre de 2019, o PIB aumentou 0,3% em termos reais, quando a variação tinha sido de 0,6% no trimestre anterior. Segundo o INE, há um contributo positivo da procura interna para a variação em cadeia do PIB, superior ao registado no segundo trimestre, mas o contributo negativo da procura externa líquida foi mais intenso.

 

Impactos externos

Os valores anunciados hoje pelo INE estão em linha com as previsões. A média dos valores estimados pelos economistas consultados pelo Jornal Económico apontava para a manutenção de um crescimento de 1,9% em termos homólogos, embora fosse previsível uma desaceleração no crescimento em cadeia, de 0,6% para 0,3%.

A previsão mais otimista era do Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Universidade Católica. Numa nota de análise publicada em outubro, antecipa um crescimento de 2,1% em termos homólogos, mas “sem alteração significativa face aos níveis de crescimento do trimestre anterior”.

As estimativas mais conservadoras pertenciam ao BPI, que para o terceiro trimestre antecipa uma desaceleração homóloga para 1,7% sobretudo devido à deterioração da procura externa, em particular a exportações.

Rui Bernardes Serra, economista chefe do Montepio que respondeu ao Jornal Económico a título pessoal, previa que a economia nacional mantenha o ritmo de expansão de 1,9% em termos homólogos, mas que haja uma desaceleração no ritmo em cadeia.

“A principal causa para o abrandamento da economia prende-se com os efeitos do abrandamento da economia europeia sobre a economia portuguesa, que só a partir do terceiro trimestre se começaram a sentir”, explicou. “Em todo o caso, refira-se que o crescimento em cadeia da economia portuguesa terá superado o da zona euro pelo sétimo trimestre consecutivo”, destacou.

Em resposta ao Jornal Económico, fonte oficial do Santander justificou a desaceleração do PIB em cadeia com o abrandamento do consumo privado, “fruto de uma potencial queda do consumo de bens duradouros”. O investimento também poderá ter abrandado, “fruto do aumento da incerteza relacionado com a conjuntura internacional, em especial ao impacto latente de um Brexit sem acordo e guerras comerciais”, explica o banco.

Já as exportações “poderão ter acelerado em termos homólogos, apesar do impacto negativo do encerramento da refinaria de Sines em setembro”, enquanto as importações “deverão ter desacelerado, embora o impacto da aquisição de aviões e do encerramento da refinaria de Sines, possa ter mitigado ou mesmo revertido essa tendência”.

Ler mais

Recomendadas

“Já se demitiram?”. Ana Gomes reage aos ‘Luanda Leaks’ e pede afastamento de Carlos Costa

Ex-eurodeputada já reagiu à revelação dos ‘Luanda Leaks’ e pergunta se Carlos Costa e Fernando Teixeira dos Santos já se demitiram.

Site da APAF pirateado numa manifestação de apoio a Rui Pinto

O site da APAF, que entretanto já voltou à normalidade, surgia com uma configuração completamente diferente da habitual, já que era apresentada com uma foto de destaque de Rui Pinto.

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.
Comentários