PremiumEconomia será pilar estratégico do programa de Cafôfo

Turismo terá espaço no programa económico do candidato ao Governo Regional. A revisão do programa de ordenamento turístico, a captação de novas rotas aéreas, são algumas das medidas previstas na economia.

A economia será um dos pilares do programa eleitoral que Paulo Cafôfo, candidato do PS Madeira vai levar às eleições regionais e que será desvendado em setembro. O candidato ao Governo Regional contudo vai apresentar este sábado, no Centro de Congressos da Madeira, os seus 100 compromissos para os primeiros 100 dias. O turismo será um dos setores de relevo na política económica do candidato socialista a que se junta a criação de emprego, a qualificação, a inovação e tecnologia, e a sustentabilidade ambiental e social, premissas que assentam na defesa de um novo ciclo de desenvolvimento para a Madeira.

“A redução da carga fiscal e dos custos de contexto, a maior captação de investimento, a melhoria de acessibilidades e maior sustentabilidade dos recursos disponíveis são questões estruturantes para a nossa estratégia”, afirma Sérgio Gonçalves, coordenador do programa económico do PS Madeira. O turismo vai assumir relevo neste programa económico que os socialistas vão levar a eleições a 22 de setembro.

Entre as medidas que vão integrar o programa do candidato socialistas ao Governo Regional, está a implementação de um plano estratégico para o turismo, através da revisão do Programa de Ordenamento Turístico (POT) e a promoção de “um maior equilíbrio” entre a oferta e a procura. O reforço das verbas de promoção, a qualificação profissional, são parte integrante do plano que os socialistas têm para o setor turístico da região.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 5 de julho.

Recomendadas

PremiumEstímulo Monetário: O risco de ressaca num mundo viciado em dívida

O medo de uma crise financeira, além da inevitável recessão provocada pela Covid-19, levou os bancos centrais a injetar liquidez no sistema, em doses gigantescas de compras de ativos. A receita está a funcionar, mas o vício do ‘Quantitative Easing’ pode resultar numa ressaca, e embora não seja provável que a inflação acelere, a verdade é que os bancos centrais compraram mais risco e criaram uma montanha de dívida que um dia terá de ser paga, alertam os economistas consultados pelo JE.

PremiumPedro Moura: “Plataforma de gestão das florestas dá para relançar a economia”

Ex-CEO da Portucel Moçambique e especialista em gestão florestal, Pedro Moura diz que a produção eficiente de 70% do território permitiria criar muitos empregos no interior de Portugal e produzir biomassa para centrais elétricas 100% renováveis.

PremiumIPMA pondera candidatura a fundos europeus para poder detetar sismos

Caracterizar com detalhe a atenuação sísmica e desenvolver um sistema de alerta precoce são algumas das melhorias a introduzir, salienta o IPMA.
Comentários