Euronext: “Vai ser interessante contar com a Bolsa da Irlanda após o Brexit”

A aquisição da Bolsa da Irlanda pela detentora da Bolsa de Lisboa está em fase final e deverá ficar fechada até ao final de março. Depois de Dublin, a Euronext pretende fazer mais aquisições.

Ler mais

A aquisição da Bolsa de Irlanda pela Euronext poderá dar um ponto de entrada para as empresas britânicas na zona euro, depois do Brexit. Apesar de considerar ainda prematuro avaliar o impacto do negócio, Eric Forest, chairman e CEO da EnterNext (filial da Euronext dedicada ao financiamento de PME), explicou que a aquisição deverá ficar concluída ainda este trimestre.

A empresa gestora de bolsas como a de Lisboa, anunciou estar a negociar a compra da bolsa irlandesa, em novembro. Agora, já “está em fase final e a conclusão está planeada até ao final de março. Portanto, até lá, não podemos falar muito do assunto”, explicou, em declarações ao Jornal Económico, à margem do evento TechShare, organizado pela Euronext, em Bruxelas.

No entanto, adiantou considerar que “vai ser interessante contar com a Bolsa da Irlanda depois do Brexit”. Forest colocou a hipótese de as empresas cotadas no Reino Unido poderem, com a fusão, pedir uma listagem dupla em outro índice da Euronext para ter acesso à zona euro.

“Dublin pode vir a ser um bom ponto de entrada para a zona euro”, afirmou o chairman e CEO da EnterNext, acrescentando que as equipas dos vários índices vão começar a trabalhar em conjunto poucas semanas após a conclusão da aquisição, incluindo para estudar potenciais sinergias.

Dublin vai juntar-se, assim, a Lisboa, Paris, Bruxelas e Amesterdão na bolsa pan-europeia, em linha com a estratégia de diversificação da atividade da empresa gestora, que pretende continuar a realizar aquisições estratégicas, ao longo deste ano. O negócio envolveu a compra de todas as ações da Bolsa da Irlanda por 137 milhões de euros.

No ano passado, os resultados líquidos da Euronext aumentaram 22,5%, em comparação com 2016, para 241,3 milhões de euros. A receita consolidada da subiu 7,2%, para 532,3 milhões de euros, beneficiando da melhor atividade e do impacto positivo das iniciativas Agility for Growth e pela aquisição da FastMatch em agosto de 2017.

Relacionadas

“Empresas portuguesas voltaram ao mapa dos investidores”, realça presidente da Euronext Lisboa

Na conferência Via Bolsa, organizada pela Euronext Lisboa, Paulo Rodrigues da Silva falou de uma mudança nas tendências de investimento, a que o PSI 20 não foi alheio. Aliado ao crescimento económico, baixo desemprego e subidas do ‘rating’ levaram o índice nacional a destacar-se das congéneres europeias no ano passado.

Lucro da Euronext aumentou 22,5%, para 241,3 milhões de euros

A Euronext refere que a receita consolidada da aumentou 7,2%, para 532,3 milhões de euros, beneficiando da melhor da atividade e do “impacto positivo das iniciativas Agility for Growth e pela aquisição da FastMatch.

Euronext promove igualdade de género com toque do sino do Dia da Mulher

A iniciativa conta com a presença de Rosa Monteiro, secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, e assinala o compromisso do setor empresarial com a igualdade de género.
Recomendadas

PISA: Portugal vai entrar nos estudos da OCDE sobre literacia financeira

“Na economia dos dias de hoje, a literacia financeira é como saber ler ou escrever”, disse Annamaria Lusardi, presidente do International Network on Financial Education’s Research Committee, da OECD.

Farfetch: como as ações dispararam de 20 para 32 dólares em dois dias

“Estes resultados merecem uma reflexão profunda, tendo em conta que a Farfetch é, ainda, uma empresa que não regista lucro”, esclarece a corretora Activotrade em análise ao desempenho da Farfetch.

Literacia financeira: Governo alia-se aos reguladores para reforçar educação

O secretário de Estado para a Educação defendeu que “capacitar para a literária financeira é capacitar para os direitos humanos”, num evento em que foi anunciado o lançamento de um novo Caderno de Educação Financeira.
Comentários