EDP anuncia parceria com franceses da Engie para a energia eólica offshore

O anúncio foi feito pela empresa esta terça-feira, semanas depois da OPA da CTG sobre a EDP ter terminado sem sucesso. O objetivo é criar uma “líder mundial na energia eólica offshore” com 5 a 7 gigawatts em operação ou construção até 2025. A parceria deve estar operacional até ao final de 2019.

A EDP Energias de Portugal fechou uma parceria com os franceses da Engie para as energias renováveis. A parceria vai contemplar a área da energia eólica offshore, as centrais marítimas que produzem eletricidade a partir do vento.

“A EDP e a Engie unem forças para criar líder mundial na energia eólica offshore”, segundo comunicado da elétrica portuguesa esta terça-feira, 21 de maio.

O objetivo é que esta parceria esteja operacional até ao final de 2019, com a execução do projeto a estar “sujeita aos respetivos processos de aprovação social, corporativo, legal, regulatório e contratual”.

Este acordo contempla a criação de uma parceria “controlada em partes iguais (50/50) no segmento eólico offshore, fixo e flutuante. A nova entidade será o veículo exclusivo de investimento da EDP, através da sua subsidiária detida em 82,6%, EDPR, e da ENGIE para oportunidades eólicas offshore em todo o mundo e passará a ser um dos cinco maiores operadores de offshore a nível global na área, combinando a competência industrial e a capacidade de desenvolvimento das duas empresas”, anuncia a companhia presidida por António Mexia.

“Segundo os termos do Memorando de Entendimento, a EDPR e a ENGIE combinarão os seus ativos eólicos offshore e os projetos em desenvolvimento na recém-criada joint-venture, iniciando com um total de 1,5 gigawatts em construção e 4,0 gigawatts em desenvolvimento, com o objetivo de atingir os 5 a 7 gigawatts de projetos em operação ou construção e 5 a 10 gigawatts em desenvolvimento avançado até 2025”, segundo o comunicado enviado à CMVM pela EDP.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Mexia: “Parceria da EDP com a Engie é uma medida natural no mercado”

O CEO da empresa portuguesa falou em Londres, na apresentação da parceria com a energética francesa. A ‘joint venture’ destina-se a criar líder de mercado no energia eólica ‘offshore’ e deve ser estabelecida até ao final do ano.

Centrais eólicas marítimas em crescimento até 2030

As centrais offshore europeias vão estar na rota do crescimento na próxima década. Os 16 gigawatts (GW) existentes no final de 2017 podem evoluir para quase 100 GW até 2030, segundo a previsão mais otimista da Wind Europe. Portugal deverá desenvolver 175 megawatts (MW) até 2030, com o Reino Unido, a Alemanha e a Holanda a liderarem este crescimento. Já a EDP Renováveis está atualmente a desenvolver projetos num total de 3.567 MW para entrarem em operação até 2022, em Portugal, França, Reino Unido e Estados Unidos.

EDP já contratou consultores para vender mais de 2 mil milhões em ativos

A empresa liderada por António Mexia acrescentou que o plano para a rotação de ativos num valor total superior a 4 mil milhões de euros também está a seguir o calendário previsto, recordando que a 23 de abril completou uma transação desse género, com um encaixe de 800 milhões de euros.
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.
Comentários