EDP Renováveis arranca com aumento de capital de 1,5 mil milhões

A empresa contratou o Citigroup Global Markets Europe e o Morgan Stanley Europe para avançar com a operação junto de investidores institucionais.

A EDP Renováveis lançou hoje a sua operação de aumento de capital de 1,5 mil milhões de euros. Esta operação é dirigida somente a “investidores profissionais”, como fundos ou bancos.

O objetivo deste aumento de capital é “financiar parcialmente” o ambicioso plano de investimento da EDP Renováveis no valor de 19 mil milhões de euros com o objetivo de implementar 20 gigawatts de renováveis até 2025. Incluindo este valor, o grupo EDP, que detém 83% da EDP Renováveis, pretende investir no total 24 mil milhões de euros até 2025.

“Com a finalidade de implementar o aumento de capital de forma célere e eficiente em benefício da EDPR e de todos os seus acionistas, o Citigroup Global Markets Europe AG (“Citi”) e a Morgan Stanley Europe SE (“Morgan Stanley”) (conjuntamente, os “Bancos”) foram mandatados para lançar um accelerated bookbuilding (o “ABB”) de ações EDPR com o objetivo de alcançar um encaixe bruto de cerca de 1,5 mil milhões de euros”, segundo comunicado hoje divulgado pela EDP Renováveis.

A empresa anuncia que a operação vai ser lançada “imediatamente após este comunicado”, estando assim já a decorrer.

“Na sequência da conclusão do ABB, a EDPR determinará e anunciará o preço de colocação e o montante final de encaixe bruto”, de acordo com a energética.

Desta forma, “na sequência do anúncio do preço de colocação e do encaixe bruto do ABB, espera-se que os investidores recebam a sua alocação de ações EDPR aproximadamente no dia 5 de março de 2021. Os investidores terão todos os direitos económicos e direitos de voto inerentes a essas ações a partir dessa data”.

No seu comunicado, a EDP Renováveis explica que para “facilitar a formação de preço e a liquidação do ABB, a EDP emprestará ações EDPR aos bancos e os bancos colocarão tais ações junto de investidores profissionais”.

Depois, “imediatamente na sequência da conclusão do ABB, e sujeito à aprovação do conselho de administração da EDPR, a EDPR proporá um aumento de capital no montante equivalente ao encaixe bruto do ABB, a ser integralmente subscrito pelos Bancos; a aprovação do aumento de capital será proposto à assembleia geral de acionistas da EDPR a ser realizada aproximadamente no dia 12 de abril de 2021”.

Se os acionistas derem o seu aval, os bancos “subscreverão integralmente o aumento de capital e devolverão tais ações à EDP”.

Se a EDPR propor o aumento de capital, o grupo EDP irá “comprometer-se irrevogavelmente a votar favoravelmente o Aumento de Capital na assembleia geral de acionistas”.

Se o aumento de capital não for executado o ” acordo de empréstimo de ações entre a EDP e os bancos seria liquidado através do encaixe bruto do ABB”.

A EDP e a EDPR estarão sujeitas a um “período de lock-up de 180 dias a partir da entrega das novas ações no contexto do aumento de capital, sujeito a exceções standard de mercado”.

Durante a apresentação do plano estratégico da EDP até 2025, Miguel Stilwell de Andrade disse que o aumento de capital poderia ficar entre os 1,5 mil milhões de euros e os dois mil milhões.

Apesar desta operação, o presidente executivo do grupo EDP garantiu que a companhia vai manter uma posição de, pelo menos, 70% da EDP Renováveis.

EDP Renováveis poderá aumentar capital em cerca de 1,5 mil milhões para financiar investimento

Recomendadas

Liberty lança canal de venda direta de seguros automóvel em Portugal

A Génesis by Liberty Seguros é a marca de seguro direto criada para o ramo automóvel, cerca de um ano depois de ter anunciado um investimento de 100 milhões de euros em tecnologia para operar o seu negócio na cloud pública.

Ricciardi admite criar banco para para “regenerar o nome da família Espírito Santo” (com áudio)

“A família Espírito Santo era conhecida em todo o lado, o melhor nome da banca portuguesa foi destruído. Se conseguir começar a fazer a sua regeneração, para que as gerações seguintes o desenvolvam, partirei desta vida com a consciência tranquila de que fiz tudo o que podia”, disse Ricciardi ao “Público”.

Sonae IM investe em empresa de pagamentos norte-americana Citcon

O financiamento de 26 milhões de euros no qual esteve envolvida a empresa portuguesa foi liderado pela Norwest Venture Partners e pela Cota Capital, contando ainda com a Sierra Ventures – três sociedades de capital de risco dos Estados Unidos.
Comentários