Eduardo Cabrita foi “desajeitado, trapalhão e no discurso foi inaceitável”, afirma Marques Mendes

Comentador da SIC considera que a responsabilidade da atuação de Cabrita é de António Costa e sublinha que o ministro da Administração Interna “já devia ter saído do Governo há muito tempo”.

Marques Mendes afirmou que a situação com os imigrantes que trabalham nas explorações agrícolas em Odemira o deixaram “indignado”, sublinhando que “há várias entidades com responsabilidades” nos problemas desta semana, a começar pelo autarca de Odemira, passando para o Governo e terminando na CGTP.

“Há entidades com responsabilidades, o autarca de Odemira não fez o que podia e devia. Tem responsabilidade, está lá há 12 anos. As centrais sindicais são outro exemplo, estamos a falar de trabalhadores sujeitos às mesmas leis dos portugueses, normalmente [as centrais sindicais] manifestam-se por tudo e por nada, aqui podiam ter feito alguma coisa, mas o país nunca notou. A CGTP tem que mudar um bocadinho de atitude”, disse o comentador da SIC.

Sobre a atuação do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, o ex-líder do PSD afirmou que este “foi desajeitado, trapalhão, e depois no discurso foi inaceitável”. “Tudo se resolvia se houvesse diálogo, entre o ministro e aquele empreendimento turístico, o Zmar, o que significa que isto foi uma trapalhice, uma coisa inacreditável e o seu comportamento foi inadmissível para a posição que ocupa”.

O comentador considera que a responsabilidade sobre a atuação de Eduardo Cabrita é de António Costa e sublinha que o ministro da Administração Interna “já devia ter saído do Governo há muito tempo”. “O primeiro-ministro já devia tê-lo chamado à razão. O primeiro-ministro não demite ninguém, mas já devia ter obrigado Cabrita a retratar-se dos comentários que fez”, acrescentou.

No entanto, Marques Mendes alertou para o facto de existir uma secretária de Estado para a Integração e as Migrações que “ninguém lhe conheceu a cara, até parece que está desaparecida em combate”. Acrescenta que “toda a gente do Governo anda a esconder-se atrás do ministro Cabrita”, visto que “ele é o bombo da festa”.

“A primeira reflexão que nos ocorre é a seguinte: parece que temos dentro de Portugal dois países, temos o país da Web Summit e da Cimeira Europeia, e temos o país sem decência de Odemira que viola direitos fundamentais, chega a parecer um país do terceiro mundo. Isto envergonha o país. Temos de arranjar uma solução. Ao Ministério do Trabalho, perante estas situações que o país todo viu, exigia-se muito mais, mas fecharam os olhos”, rematou, no “Jornal da Noite” da SIC deste domingo.

Relacionadas

Vítor Bento será o próximo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, avança Marques Mendes

Vítor Bento tem vasta experiência no sector financeiro. O economista foi presidente executivo da SIBS e também foi o último presidente do Banco Espírito Santo e o primeiro do Novo Banco.
Recomendadas

Iniciativa Liberal compara-se a Santo António em arraial com sardinhas e bifanas

 O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, comparou este sábado o partido ao Santo António, dizendo que é “o martelo dos inimigos da liberdade”, num arraial comício com centenas de pessoas, sardinhas e bifanas.

CML/Rússia. Governo diz que queixa recebida também era dirigida às “entidades competentes”

O Governo reconheceu este sábado que os serviços de dois ministérios receberam uma queixa enviada em março por ativistas cujos dados foram partilhados pela câmara de Lisboa, mas “não suscitou diligências” porque também era dirigida “às entidades competentes”.

José Luís Carneiro declina candidatura socialista à Câmara do Porto

“Apesar de apelos de muitos militantes, simpatizantes, cidadãos e instituições da cidade para que reponderasse a decisão relativa à candidatura à Câmara do Porto e aceitasse ser candidato, e depois de muito ponderar, reiterei à concelhia e federação do PS a minha indisponibilidade”, afirmou.
Comentários