“Eduardo Cabrita foi um verdadeiro incendário”, diz Marques Mendes

O comentador deixou duras críticas à atuação do ministro da Administração Interna durante esta semana, devido à guerra de palavras com o autarca de Mação e pelas golas antifumo inflamáveis.

Marques Mendes considera que o ministro da Administração Interna teve uma atuação “desastrosa” durante a última semana.

“A atuação do ministro da Administração Interna foi desastrosa. Eduardo Cabrita foi um verdadeiro incendiário”, disse este domingo, 28 de julho, o comentador no seu espaço semanal na SIC.

“Começou por atirar forte e feio ao presidente da camara de Mação, que desabafou em público a falta de meios” para combater os incêndios florestais que queimaram mais de 9.500 hectares nos municípios de Mação e de Vila de Rei.

O Governo e o autarca de Mação abriram esta semana uma guerra de palavras devido aos fogos florestais que assolaram aquela região do distrito de Santarém nos últimos dias. Depois de Vasco Estrela criticar a falta de meios no terreno para combater os incêndios, o ministro da Administração Interna acusou o autarca de Mação de ser “verdadeiramente um comentador televisivo, porque a seguir a cada briefing aparecia nesta televisão ou noutras a fazer comentários”.

A outra atuação “desastrosa” de Eduardo Cabrita esta semana foi a questão dos kits anti-fogos e das golas antifumo que são inflamáveis.

“No primeiro momento, acusou a comunicação social de ser irresponsável, o ministro foi novamente incendiário. Deu o dito por não dito nos kits. Primeiro, a culpa era da comunicação social, depois instaurou um inquérito”, criticou.

Este domingo o Governo responsabilizou a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) pela compra das golas antifumo que são inflamáveis.

“Os contratos, caderno de encargos, as condições de seleção dos concorrentes, é da responsabilidade da Autoridade Nacional da Proteção Civil”, disse o secretário de Estado da Proteção Civil José Artur Neves.

O Governo reagiu assim à notícia do Jornal de Notícias deste domingo de que a secretaria de Estado da Proteção Civil coordenou os convites realizados a cinco empresas para a apresentação de preços, adjudicação, minuta de regras e elaboração do contrato. A ANEPC pagou 202.950 euros por 70 mil kits de proteção para os fogos florestais.

No sábado, o Jornal de Notícias avançou que a Autoridade Nacional da Proteção Civil pagou 1,80 euros por cada gola, num total de 125 mil euros, quando o valor de mercado por peça, ronda os 63 e os 74 cêntimos (com IVA).

Na sexta-feira, Eduardo Cabrita rejeitou responder diretamente a questões relacionadas com esta polémica, afirmando que as golas não são “material de combate a incêndio”. No dia seguinte, o ministro anunciou a instauração de um inquérito.

Governo responsabiliza Proteção Civil pela compra das golas antifumo inflamáveis

 

 

Ler mais
Relacionadas

Governo responsabiliza Proteção Civil pela compra das golas antifumo inflamáveis

O Governo veio a público dizer que a responsabilidade pela compra das golas inflamáveis é da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Polémica com golas antifumo: “O sr. jornalista tem aqui material que é inflamável”, diz ministro

O ministro da Administração Interna diz que as setenta mil golas antifumo distribuídas em 1.600 aldeias portuguesa, que são inflamáveis, não são “material de combate a incêndio”.

Governo e autarca de Mação em guerra devido a fogos florestais

Autarca criticou a falta de meios no combate aos fogos florestais. Ministro da Administração Interna acusou Vasco Estrela de ser um “comentador televisivo”. Depois dos incêndios que devastaram o concelho de Mação, estalou o verniz entre a autarquia de Mação e o Governo de Costa.

Ministro da Administração Interna abre inquérito urgente sobre golas antifumo

O ministro pediu esclarecimentos a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e a abertura de um inquérito urgente à Inspecção-Geral da Administração Interna, depois de notícias sobre golas antifumo com material inflamável distribuídas no âmbito do programa “Aldeias Seguras”.
Recomendadas
Debate António Costa Rui Rio

Costa agita “milhares de milhões de euros” se não houver aeroporto no Montijo e Rio alerta para emigração igual à soma do Porto com Viana do Castelo

Frente a frente entre o primeiro-ministro e o líder social-democrata envolveu riscos de indemnizações à ANA, emigração em série, impostos, saúde, justiça e educação.

Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.
Comentários