PremiumEduardo Lourenço: Praticamente 100 anos de reflexão

Desde há muito um dos intelectuais mais consensuais, o autor de livros como “O Labirinto da Saudade” distinguia-se pela serenidade com que, vivendo longe do país, pensava Portugal e aquilo que é ser português. Morreu aos 97 anos, no dia da Restauração.

A voz calma e serena de um homem gentil e de bem com a vida, ainda que esta lhe tenha trazido uma perda irreparável e a noção de estar “assustadoramente mais velho” nos tempos mais recentes, era o primeiro impacto com o ensaísta Eduardo Lourenço. Provavelmente o intelectual mais consensual de Portugal, nem que fosse pela desarmante confissão de que “nada mais sabia fazer além de pensar”, o autor de obras como “O Labirinto da Saudade” morreu aos 97 anos nesta terça-feira, precisamente no dia em que, de cara tapada por máscaras e abreviando a cerimónia para cumprir rigorosamente o recolher obrigatório, o país celebrou a restauração da independência.

Estar distante ao longo de décadas, fixando residência em 1975 na localidade francesa de Vence, perto de Nice, não impediu Eduardo Lourenço de se tornar o expoente da reflexão sobre Portugal e o ser português. Precisamente por isso, Marcelo Rebelo de Sousa, que fez questão de o escolher para o Conselho de Estado ao ser eleito Presidente da República, realçou na nota oficial em que assinalou a morte do “sábio amigo” que “poucos foram os ‘estrangeirados’ tão obsessivos na sua relação com os temas portugueses, com a cultura, identidade e mitologias portuguesas, com todos os seus bloqueios, mudanças e impasses”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEspumantes do Tejo: 14 opções para mitigar o confinamento em 2021

O ano passado não foi fácil para quase ninguém. Espera-se que o que agora deu entrada nas nossas vidas seja um pouco, ou mesmo muito melhor, consoante as experiências e as ambições de cada um.

PremiumCarlos do Carmo: Portugal perdeu a voz na primeira madrugada deste ano

Pouco mais de um ano depois do seu último concerto, Carlos do Carmo não resistiu à cirurgia a um aneurisma na aorta abdominal. Na carreira do filho de fadista que tardou a abraçar o fado não faltaram êxitos que o tornaram tão eterno quanto o homem das castanhas que cantou.

PremiumYour Honor: Ser juiz em causa muito imprópria

O ataque de asma de um jovem enquanto tenta sair do labirinto de ruas indiferenciadas de um bairro problemático de Nova Orleães leva a que perca o controlo do volante e embata na motocicleta de outro adolescente.
Comentários