Educação em contexto de emergência será alvo de cooperação multilateral na CPLP

A proposta será agora submetida “à reunião de Conselho de Ministros” de julho de 2021, “tendo em vista dinamizar a cooperação multilateral” neste domínio.

A educação em contexto de emergência será alvo de cooperação multilateral entre os Estados-membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) nos próximos anos, foi hoje anunciado pela organização.

Segundo a declaração final da XI Reunião dos ministros da Educação, que decorreu ‘online’ e teve como tema “A Educação nos Estados-membros da CPLP e o contexto da pandemia da Covid-19”, foi adotada a proposta de resolução sobre “a educação em contexto de emergência” na organização.

A proposta será agora submetida “à reunião de Conselho de Ministros” de julho de 2021, “tendo em vista dinamizar a cooperação multilateral” neste domínio.

Além disso, os ministros decidiram mandatar a reunião de Pontos Focais da Educação para que elabore uma proposta de um instrumento de referência para a promoção da cooperação multilateral no domínio da educação em tempos de emergência durante o primeiro semestre de 2021.

Assim, a cooperação entre os Estados-membros da CPLP, num contexto como o da pandemia de covid-19, deverá ser uma das áreas incluídas no novo Plano de Ação de Cooperação no Domínio da Educação da CPLP para o período 2021-2026, uma vez que o anterior plano vai até ao final deste ano.

O novo plano já deverá, porém, ser aprovado sob a égide da presidência angolana da CPLP, como esclareceu a ministra da Educação de Cabo Verde, Maritza Rosabal, país que tem agora a presidência rotativa da comunidade.

A XI Reunião dos ministros da Educação contou, pela primeira vez, com a participação de organizações internacionais, e um dos assuntos em agenda foi precisamente o reforço das relações institucionais com estas organizações nos domínios da educação e formação.

Além dos ministros e responsáveis dos Estados-membros pela área da educação, participaram na reunião a Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI), o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e a Agência Nacional Erasmus Educação e Formação.

A sessão de abertura da reunião de ministros contou ainda com a intervenção da diretora-geral adjunta da Educação da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), Stefania Giannini.

Em agenda da reunião de hoje esteve ainda a implementação do Plano de Ação de Cooperação Multilateral no Domínio da Educação da CPLP (2016-2020) e as orientações estratégicas para o período 2021-2026.

A CPLP integra Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.339.130 mortos resultantes de mais de 55,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Ler mais
Recomendadas

Banco de Cabo Verde confirma liquidação de um dos quatro ‘offshore’

O regulador bancário cabo-verdiano informou que procedeu ao registo da deliberação dos acionistas do Banco Privado Internacional, SA – BPI, Instituição de Crédito de Autorização Restrita, que “decidiu pela sua dissolução voluntária e liquidação”.

CPLP vai apoiar candidatura do Brasil ao Tribunal Penal Internacional 

“Houve uma proposta do Brasil para apoio à candidatura da juíza Federal Mónica Jaqueline Cinfuentes ao Tribunal Penal Internacional”, afirmou Eurico Monteiro, embaixador de Cabo Verde.

Moody’s mantém rating do banco da CEDEAO em ‘lixo’

O BID tem como acionistas os países da CEDEAO, entre os quais estão os lusófonos Cabo Verde e Guiné-Bissau, para além de outros países da África Ocidental, como a Costa do Marfim, Nigéria ou o Senegal.
Comentários