El Helicoide: de centro comercial a prisão política

Planeado inicialmente para ser um centro comercial com circulação automóvel (“drive-through”), El Helicoide transformou-se numa prisão, que há várias décadas “acolhe” os prisioneiros políticos da Venezuela.

Entre as várias barracas do Bairro de San Agustín, em Caracas, na Venezuela, distingue-se o El Helicoide, um edifício de aspeto espacial que originalmente havia sido planeado para ser o primeiro centro comercial do mundo aberto à circulação automóvel. Ao invés de seguirem a pé, os clientes deslocar-se-iam de automóvel pelo centro comercial, estacionando à porta das lojas que desejavam visitar.

A história deste estranho edifício é descrita num livro publicados pelas historiadoras Celeste Olalquiaga e Lisa Blackmore, “Downward Spiral: El Helicoide’s Descent from Mall to Prison” (“Espiral Descendente: A Passagem do El Helicoide de Centro Comercial a Prisão”, em tradução livre).

O edifício foi desenhado pelo arquiteto Jorge Romero Gutiérrez, que se terá inspirado na Torre de Babel e no planetário proposto por Frank Lloyd Wright’s, o Gordon Strong Automobile Objective, afirma Olalquiaga ao Business Insider (BI). As obras iniciaram-se em 1956, numa altura em que a companhia petrolífera estatal da Venezuela apresentou ganhos significativos, relativos à venda de petróleo aos aliados da Segunda Guerra Mundial. O Governo da altura também investiu fortemente na construção deste peculiar centro comercial. “Vamos construir (…) um super-projeto com Romero Gutiérrez. Uma montanha de lojas, com rampas!”, escreveu Dirk Bornhorst, sócio de Gutiérrez, em 1955.

A valia deste projeto foi reconhecida um pouco por todo o mundo. o poeta Pablo Neruda chegou mesmo a chamar-lhe “uma das criações mais refinadas a sair da mente de um arquiteto”. Os planos de construção previam 320 lojas e dois elevadores, bem como rampas de duas faixas. Além disso, estavam ainda previstos um concessionário, uma gasolineira, uma oficina e uma lavagem de carros, mas também galerias, um ginásio, um infantário, piscina, sete salas de cinema e uma pista de bowling. Apesar da planeada grandeza, o projeto foi abandonado em 1958, depois do colapso da ditadura de Pérez Jiménez.

Votado ao abandono, tornou-se propriedade do Governo em 1975, sendo utilizado, entre 1979 e 1982, para albergar cerca de 500 famílias desalojadas, que habitavam contentores colocados dentro do edifício. No entanto, em 1984, uma agência policial local – o Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (SEBIN) – tomou conta do edifício e transformou-se numa prisão para presos políticos, atividade que mantém até hoje.

Entre janeiro de 2014 e junho de 2016, um relatório revelado por uma ONG local – o Fórum Penal Venezuelano – afirma que tanto o SEBIN como a Guarda Nacional Bolivariana são responsáveis por 145 casos de tortura e tratamento desumano. Relatos semelhantes são fornecidos por antigos prisioneiros, que identificam algumas das práticas que acontecem no El Helicoide: choques elétricos, espancamentos e enforcamentos por largos períodos de tempo.

“O El Helicoide é um paradoxo incrível, tão futurístico e, ao mesmo tempo, tão retrógrado no seu uso, afirma Olalquiaga. “Nos anos 60, a Venezuela estava no caminho para se tornar um dos países de topo na América Latina, mas a sua modernização foi feita à custa de uma vasta maioria de pessoas que viviam na miséria, precisamente no tipo de bairros de lata que atualmente rodeiam o edifício”, continua Olalquiaga. “Caso o processo de modernização tivesse sido mais inclusivo socialmente, a Venezuela estaria numa situação diferente. Mas, para muitos venezuelanos, o El Helicoide tornou-se um símbolo de tortura”, conclui.

Atualmente, de acordo com o BI, existem pelo menos 340 prisioneiros políticos naquele edifício, incluindo estudantes que recentemente participaram nos protestos anti-Maduro.

Ler mais
Relacionadas

2680 votantes contra iniciativa do Presidente da Venezuela

Na Região estão contabilizados até ao momento 2.680 votantes contra a iniciativa do Presidente da Venezuela.

Mais de sete milhões de venezuelanos votaram no referendo contra Maduro

O referendo contra o projeto de Assembleia Constituinte do Presidente Nicolás Maduro, deste domingo, aconteceu depois de intensos protestos contra o presidente venezuelano, que resultaram em pelo menos 94 mortes.
Recomendadas

INEM confirma quatro vítimas mortais em queda de helicóptero, causas desconhecidas

A aeronave, que fazia a viagem entre o Porto e Macedo de Cavaleiros, Bragança, estava desaparecida desde as 18:30 de sábado e, segundo o organismo, “o incidente ocorreu numa altura em que se verificavam condições meteorológicas bastante adversas”.

Helicóptero do INEM com quatro pessoas a bordo desapareceu na zona de Valongo

A aeronave transportava um médico, um enfermeiro e dois pilotos e regressava à base em Macedo de Cavaleiros.

FENPROF admite avançar uma ação contra o Estado. Todos os detalhes aqui

O maior sindicato de professores do país aprovou este sábado, em reunião de conselho nacional, em Lisboa, um caderno de reivindicações prioritárias acompanhado de um conjunto de ações de luta que prevê greves, manifestações e recurso à justiça.
Comentários