El Helicoide: de centro comercial a prisão política

Planeado inicialmente para ser um centro comercial com circulação automóvel (“drive-through”), El Helicoide transformou-se numa prisão, que há várias décadas “acolhe” os prisioneiros políticos da Venezuela.

Entre as várias barracas do Bairro de San Agustín, em Caracas, na Venezuela, distingue-se o El Helicoide, um edifício de aspeto espacial que originalmente havia sido planeado para ser o primeiro centro comercial do mundo aberto à circulação automóvel. Ao invés de seguirem a pé, os clientes deslocar-se-iam de automóvel pelo centro comercial, estacionando à porta das lojas que desejavam visitar.

A história deste estranho edifício é descrita num livro publicados pelas historiadoras Celeste Olalquiaga e Lisa Blackmore, “Downward Spiral: El Helicoide’s Descent from Mall to Prison” (“Espiral Descendente: A Passagem do El Helicoide de Centro Comercial a Prisão”, em tradução livre).

O edifício foi desenhado pelo arquiteto Jorge Romero Gutiérrez, que se terá inspirado na Torre de Babel e no planetário proposto por Frank Lloyd Wright’s, o Gordon Strong Automobile Objective, afirma Olalquiaga ao Business Insider (BI). As obras iniciaram-se em 1956, numa altura em que a companhia petrolífera estatal da Venezuela apresentou ganhos significativos, relativos à venda de petróleo aos aliados da Segunda Guerra Mundial. O Governo da altura também investiu fortemente na construção deste peculiar centro comercial. “Vamos construir (…) um super-projeto com Romero Gutiérrez. Uma montanha de lojas, com rampas!”, escreveu Dirk Bornhorst, sócio de Gutiérrez, em 1955.

A valia deste projeto foi reconhecida um pouco por todo o mundo. o poeta Pablo Neruda chegou mesmo a chamar-lhe “uma das criações mais refinadas a sair da mente de um arquiteto”. Os planos de construção previam 320 lojas e dois elevadores, bem como rampas de duas faixas. Além disso, estavam ainda previstos um concessionário, uma gasolineira, uma oficina e uma lavagem de carros, mas também galerias, um ginásio, um infantário, piscina, sete salas de cinema e uma pista de bowling. Apesar da planeada grandeza, o projeto foi abandonado em 1958, depois do colapso da ditadura de Pérez Jiménez.

Votado ao abandono, tornou-se propriedade do Governo em 1975, sendo utilizado, entre 1979 e 1982, para albergar cerca de 500 famílias desalojadas, que habitavam contentores colocados dentro do edifício. No entanto, em 1984, uma agência policial local – o Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (SEBIN) – tomou conta do edifício e transformou-se numa prisão para presos políticos, atividade que mantém até hoje.

Entre janeiro de 2014 e junho de 2016, um relatório revelado por uma ONG local – o Fórum Penal Venezuelano – afirma que tanto o SEBIN como a Guarda Nacional Bolivariana são responsáveis por 145 casos de tortura e tratamento desumano. Relatos semelhantes são fornecidos por antigos prisioneiros, que identificam algumas das práticas que acontecem no El Helicoide: choques elétricos, espancamentos e enforcamentos por largos períodos de tempo.

“O El Helicoide é um paradoxo incrível, tão futurístico e, ao mesmo tempo, tão retrógrado no seu uso, afirma Olalquiaga. “Nos anos 60, a Venezuela estava no caminho para se tornar um dos países de topo na América Latina, mas a sua modernização foi feita à custa de uma vasta maioria de pessoas que viviam na miséria, precisamente no tipo de bairros de lata que atualmente rodeiam o edifício”, continua Olalquiaga. “Caso o processo de modernização tivesse sido mais inclusivo socialmente, a Venezuela estaria numa situação diferente. Mas, para muitos venezuelanos, o El Helicoide tornou-se um símbolo de tortura”, conclui.

Atualmente, de acordo com o BI, existem pelo menos 340 prisioneiros políticos naquele edifício, incluindo estudantes que recentemente participaram nos protestos anti-Maduro.

Ler mais
Relacionadas

2680 votantes contra iniciativa do Presidente da Venezuela

Na Região estão contabilizados até ao momento 2.680 votantes contra a iniciativa do Presidente da Venezuela.

Mais de sete milhões de venezuelanos votaram no referendo contra Maduro

O referendo contra o projeto de Assembleia Constituinte do Presidente Nicolás Maduro, deste domingo, aconteceu depois de intensos protestos contra o presidente venezuelano, que resultaram em pelo menos 94 mortes.
Recomendadas

Passageiros da Mafrense receiam falta de autocarros

Empresas de transportes, como a rodoviária Mafrense, enfrentam falta de motoristas para responder ao aumento de passageiros provocado pelo disparo no pedido de passes sociais, ocorrido a partir desta semana.

Secretário de Estado das Comunidades lamenta morte de português nas explosões do Sri Lanka

José Luís Carneiro, disse já ter falado com a esposa do português que faleceu hoje no Sri Lanka, a quem transmitiu uma mensagem de condolências e deixou os contactos para prestar “o apoio devido e indispensável nesta altura”.

GNR regista 615 acidentes com 22 feridos graves e um morto na Operação Páscoa

O acidente, que causou uma vítima mortal, resultou da colisão entre três veículos, no concelho de Valença, tendo provocado ainda cinco feridos, dois dos quais com gravidade.
Comentários