Eleições: Cristas devolve críticas a Santos Silva

A presidente do CDS-PP devolveu Augusto Santos Silva as acusações de estar a arrastar as instituições “para a lama” com o caso de Tancos.

“Quem me conhece e acompanha a minha vida política sabe que percorro todo o país e converso com todas as pessoas. Gostem ou não de mim. Apoiem ou não as minhas ideias e as propostas do meu partido. Converso sempre com todos. Todos. De forma educada e civilizada”, depois de ter sido agredida numa ação de campanha numa rua do Porto.

A presidente do CDS-PP devolveu hoje a Augusto Santos Silva as acusações de estar a arrastar as instituições “para a lama” com o caso de Tancos e lembrou as acusações de jornalismo de sarjeta quando foi ministro.

“Sei que há a velha máxima de quem se mete com o PS, leva, mas aqui no CDS não há medo de dizermos as verdades. E quem coloca as instituições políticas na lama é quem mantém um candidato a deputado envolvido num processo, que aparentemente soube do que se passou, e quando devia escrutinar o governo, estava de alguma forma a encobrir também o governo”, disse Assunção Cristas.

A líder do CDS-PP, que falava a meio de uma visita à feira das colheitas em Arouca, Aveiro, contrapôs que “essas palavras” do ministro dos Negócios Estrangeiros, que acusou os partidos da direita de arrastarem “as instituições da República para a lama”, “aplicam-se bem ao PS”.

“E eu devolvo-as ao senhor ministro Santos Silva e candidato também. Ainda nos lembramos bem de quando ele acusava o jornalismo de ser jornalismo de sarjeta”, acrescentou.

Do lado do CDS-PP, a líder do partido prometeu defender “as pessoas que querem saber aquilo que se passou em Tancos”, no que “foi uma atuação do governo absolutamente vergonhosa a desprestigiar” as instituições e a democracia.

O ministro socialista Augusto Santos Silva acusou hoje, em Matosinhos, PSD e CDS-PP de misturarem questões políticas e judiciais.

“Nós não queremos trazer as instituições da República para a lama, nós sabemos que a justiça e a política são domínios diferentes, sabemos que as Forças Armadas são uma instituição representativa de todo o país, sabemos que as questões judiciais resolvem-se nos tribunais e que as questões políticas tratam-se no parlamento e na política”, declarou Santos Silva.

O governante insurgiu-se contra “a degradação da linguagem política, contra as calúnias e ofensas pessoais”.

“A doutora Assunção Cristas parece querer afundar o nível do debate político democrático em Portugal, mas é hoje evidente para todos, basta olhar para as sondagens, que quem se vai afundar é ela própria”, sustentou.

O também cabeça de lista socialista no círculo eleitoral Fora da Europa acusou ainda o presidente do PSD de esquecer os seus princípios no caso de Tancos.

“Rui Rio pediu serenidade e elevação quando se trata de questões de justiça, disse com toda a razão que ser acusado não é ser condenado – e que só há um sítio em que tudo isso pode ser decidido: nos tribunais. Mas o doutor Rui Rio estava à espera da primeira oportunidade para desdizer a sua própria teoria”, apontou Santos Silva.

Ler mais
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários