Eleições municipais em França podem bater novo recorde de abstenção este domingo

Uma sondagem realizada pelo Ifop a meio do mês de junho mostrou que 62% dos franceses inquiridos, mais de seis em cada dez pessoas, não pensam votar hoje, na segunda volta das eleições municipais em mais de 5.000 localidades.

A abstenção, que na primeira volta das eleições municipais em França, antes do confinamento, atingiu níveis históricos de 55,34%, pode ultrapassar na segunda volta, que se realiza hoje, os 60% devido aos receios provocados pela covid-19.

Uma sondagem realizada pelo Ifop a meio do mês de junho mostrou que 62% dos franceses inquiridos, mais de seis em cada dez pessoas, não pensam votar hoje, na segunda volta das eleições municipais em mais de 5.000 localidades.

A pandemia é um dos principais motivos apresentados pelos eleitores para não irem votar, embora tanto as autoridades nacionais como as autoridades locais assegurem que votar não aumenta o risco de contágio.

Hoje, a máscara e a caneta própria serão obrigatórias para todos os que decidam ir votar.

Apenas os candidatos com mais de 10% nas urnas na primeira volta passaram à segunda volta nas localidades onde ninguém conseguiu mais de 50% dos votos, mas com a polarização na atual vida política em França isso pode significar uma escolha ainda entre três ou quatro candidatos diferentes.

Para hoje estão aptos a votar cerca de 16,5 milhões de eleitores, ou seja, cerca de 39% dos inscritos nos cadernos eleitorais no país, para decidirem sobre os novos executivos municipais em Paris, Marselha, Lyon e Bordéus, entre outras grandes cidades francesas.

A primeira volta realizou-se no passado dia 15 de março e a segunda volta teve que ser adiada devido à pandemia de covid-19 e pelos meses de confinamento rigoroso que vigorou, com cerca de 5.000 localidades a não elegerem um novo executivo na primeira ida à urnas.

Ler mais
Recomendadas

Líbia anuncia levantamento das restrições à produção de petróleo

Depois de reduzir a produção de crude em 90% desde janeiro, fruto de um conflito entre os dois governos que reclamam autoridade no país, as duas fações anunciaram um acordo para retomar os níveis normais de produção, que contrasta com a posição da maioria dos exportadores de petróleo.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.

Israel: acordos diplomáticos não favorecem Netanyahu

Apesar do aparato, o acordo entre Israel, Emiratos Árabes Unidos e Bahrein não está a alavancar o primeiro-ministro, que continua a arriscar eleições antecipadas. O ‘colega’ de coligação, Benjamin Guntz, está ainda pior.
Comentários