Eleições presidenciais: Autarquias empenhadas em reforçar mesas de voto

“O Ministério da Administração Interna não tem conhecimento, até ao momento, da inviabilização da constituição de qualquer mesa”, assegurou o gabinete de Eduardo Cabrita ao Jornal Económico.

eleições_legislativas_voto_urna_votar
Mário Cruz/Lusa

As autarquias continuam emprenhas em reforçar as mesas de voto, bem como de espaços seguros para que os portugueses possam votar, segundo referiu o Ministério da Administração Interna (MAI) ao Jornal Economico (JE).

“O Ministério da Administração Interna não tem conhecimento, até ao momento, da inviabilização da constituição de qualquer mesa. Regista-se, pelo contrário, um esforço suplementar por parte das autarquias, que o Ministério da Administração Interna enaltece, para encontrar locais com melhores condições e que permitam o desdobramento de mais mesas, no sentido de evitar a concentração de eleitores nos locais de voto”, assegurou o gabinete de Eduardo Cabrita ao JE.

Na missiva é apontado que “a atual situação de pandemia que o país atravessa coloca vários desafios a todos os agentes envolvidos neste processo e a constituição das mesas é um deles”.

Apesar dos desafios impostos pela pandemia, o ministério garante que “a Administração Eleitoral vai continuar a acompanhar, como tem feito até aqui, o evoluir da situação para que, em articulação com as autarquias, sejam encontradas as melhores soluções para ultrapassar eventuais dificuldades que surjam”.

Até ao momento, “a Administração Eleitoral tem acompanhado, em permanência e em estreita articulação com as câmaras municipais, a ANMP [Associação Nacional de Municípios Portugueses] e a ANAFRE [Associação Nacional de Freguesias], a evolução de todo o processo eleitoral, o que inclui a constituição das secções de voto para as eleições do próximo domingo”, garante fonte oficial do MAI.

Relacionadas

Governo lança linha de apoio de 3 milhões de euros destinada a clubes desportivos e associações

Explica o Governo que as despesas elegíveis para estas linhas de apoio abrangem intervenções diversificadas, relacionadas com a renovação, reabilitação e conservação de instalações dos clubes.

Trabalhadores independentes e de serviço doméstico voltam a ter apoio para ficar com filhos menores de 12 anos

O apoio diz respeito a 66% do salário bruto do trabalhador, com 33% a ser pago pela empresa e 33% pelo Estado, excluindo subsídios e complementos. Os trabalhadores em regime de teletrabalho ficam sem direito a este apoio. e só um dos pais o pode pedir. Saiba como pedir este apoio.
Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

Covid-19: Uma centena de manifestantes anticonfinamento em Lisboa

À Lusa, o comissário Santos, da PSP, referiu que a concentração, promovida pelo Movimento Habeas Corpus, associado aos Juristas pela Verdade, chegou a reunir “cerca de cem pessoas”, por volta das 13h00, e que há meia hora estariam ainda 35 manifestantes no local.
Comentários