Eleições presidenciais e legislativas na Bolívia marcadas para 18 de outubro

Inicialmente marcadas para 3 de maio, as eleições foram adiadas para 06 de setembro e depois para 18 de outubro, devido aos riscos associados à pandemia

Bolívia

As eleições presidenciais e legislativas na Bolívia vão realizar-se em 18 de outubro, data que não pode ser adiada, anunciaram as autoridades eleitorais.

“O Tribunal Supremo Eleitoral aprovou, por unanimidade, a resolução 205 que confirma e fixa o domingo 18 de outubro de 2020 como data definitiva, inamovível e sem adiamento possível para a jornada eleitoral”, declarou o presidente do órgão, na quinta-feira.

Salvador Romero salientou que a data agora escolhida “afasta-se do pico da epidemia”, previsto pelas autoridades sanitárias bolivianas para entre final de agosto e princípio de setembro, garantindo uma eleição “limpa, transparente, preparada com capacidade técnica e conduzida com imparcialidade política”, defendeu.

De acordo com o tribunal, esta data “não é a ideal, nem a escolhida por nenhuma candidatura ou força política, social, regional”, mas “permite conciliar a proteção da saúde pública” com a realização das eleições.

Inicialmente marcadas para 3 de maio, as eleições foram adiadas para 06 de setembro e depois para 18 de outubro, devido aos riscos associados à pandemia da covid-19.

Dois adiamentos dos escrutínios desencadearam tensões políticas, que persistem no país, e levaram os apoiantes do ex-Presidente boliviano, Evo Morales, a bloquear várias estradas.

Os protestos foram realizados pela Central Operária Boliviana e pelo Pacto de Unidade, que integra movimentos de camponeses e de indígenas próximos do Movimento para o Socialismo (MAS) de Morales.

Na quinta-feira assinalou-se a 12.ª jornada consecutiva de bloqueios de estradas e caminhos para exigir a rápida realização das eleições e também a demissão da Presidente interina do país, Jeanine Áñez.

As eleições para escolher um novo Presidente, vice-Presidente, deputados e senadores estão pendentes desde a anulação do escrutínio de outubro do ano passado, em que Morales foi declarado vencedor, entre denúncias de fraudes, ainda sob investigação judicial.

O então Presidente da Bolívia anunciou a renúncia ao cargo, decisão que denunciou ser forçada por um golpe de Estado, organizado para o privar da quarta vitória eleitoral consecutiva e para o afastar do poder, depois de quase 14 anos na chefia do país.

Ler mais
Recomendadas

Banco HSBC permitiu transferência fraudulenta de milhões

O banco britânico permitiu que fossem transferidos milhões de dólares para todo o mundo de forma fraudulenta, mesmo depois de ter tomado conhecimento do que se passava.

Justiça angolana manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

A justiça angolana ordenou o encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, estando o processo de selagem a ser feito “de forma gradual”.

Novo ataque contra autocarros faz dois mortos no centro de Moçambique

Um ataque armado contra uma coluna de quatro autocarros de passageiros escoltados pela polícia no centro de Moçambique provocou dois mortos e oito feridos
Comentários