Em Estarreja nasce gabinete que vai dar apoio a quem vem da Venezuela

Um “Gabinete de Apoio ao Emigrante vai abrir em Estarreja, dando especial atenção ao fluxo migratório da Venezuela”, anunciou a Câmara de Estarreja.

O Gabinete de Apoio ao Emigrante de Estarreja (GAE), que vai funcionar na Casa Municipal da Cultura e abre segunda-feira, “neste momento, dará essencialmente resposta ao crescente fluxo migratório, dado o ‘drama na Venezuela’, dado que Estarreja é um concelho onde sempre se verificou um elevado índice de emigração e tem sido o porto de abrigo de centenas de portugueses emigrados naquele país e lusodescendentes”.

“Este serviço possibilitará aos munícipes usufruir de um serviço de maior proximidade e terão à sua disposição um canal de comunicação gratuito, personalizado e mais adequado para a agilização e resolução de problemas, não obrigando uma deslocação a Aveiro”, salienta uma nota informativa municipal.

O GAE tem por missão “apoiar os munícipes que tenham estado emigrados, que se encontrem em vias de regresso, que ainda residem nos países de acolhimento ou que pretendam iniciar um processo migratório”. Visa ainda responder a questões relativas ao regresso e reinserção nas várias vertentes: social, jurídica, económica, investimento, emprego e estudos, entre outras.

O GAE de Estarreja surge na sequência de um acordo de cooperação que foi assinado a 11 de janeiro, entre a Câmara Municipal de Estarreja e a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Recomendadas

Dados oficiais elevam para 207 número de mortos no Sri Lanka

A oitava e última explosão, até ao momento, teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda.

Oito explosões elevam para 187 o número de mortos no Sri Lanka

Após as oito explosões, o Governo decretou o Estado de Emergência e a polícia impôs o recolher obrigatório com efeito imediato perante o perigo de novos ataques.

Português entre os 156 mortos numa série de explosões no Sri Lanka

As explosões ocorreram “quase em simultâneo”, pelas 08:45 (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.
Comentários