Em Estarreja nasce gabinete que vai dar apoio a quem vem da Venezuela

Um “Gabinete de Apoio ao Emigrante vai abrir em Estarreja, dando especial atenção ao fluxo migratório da Venezuela”, anunciou a Câmara de Estarreja.

O Gabinete de Apoio ao Emigrante de Estarreja (GAE), que vai funcionar na Casa Municipal da Cultura e abre segunda-feira, “neste momento, dará essencialmente resposta ao crescente fluxo migratório, dado o ‘drama na Venezuela’, dado que Estarreja é um concelho onde sempre se verificou um elevado índice de emigração e tem sido o porto de abrigo de centenas de portugueses emigrados naquele país e lusodescendentes”.

“Este serviço possibilitará aos munícipes usufruir de um serviço de maior proximidade e terão à sua disposição um canal de comunicação gratuito, personalizado e mais adequado para a agilização e resolução de problemas, não obrigando uma deslocação a Aveiro”, salienta uma nota informativa municipal.

O GAE tem por missão “apoiar os munícipes que tenham estado emigrados, que se encontrem em vias de regresso, que ainda residem nos países de acolhimento ou que pretendam iniciar um processo migratório”. Visa ainda responder a questões relativas ao regresso e reinserção nas várias vertentes: social, jurídica, económica, investimento, emprego e estudos, entre outras.

O GAE de Estarreja surge na sequência de um acordo de cooperação que foi assinado a 11 de janeiro, entre a Câmara Municipal de Estarreja e a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Recomendadas

Autor de mensagem colocada numa garrafa e atirada ao mar há 50 anos foi encontrado

A garrafa foi atirada ao mar quando o inglês Paul Gilmore tinha 13 anos e estava a bordo de um cruzeiro na Austrália.

Centro de Língua Portuguesa Camões inaugurado amanhã em Mindelo

O centro de língua portuguesa localizado em Cabo Verde integra uma rede de mais de 70, presentes em 43 países, e é financiado pelo Instituto Camões.

KLM alvo de críticas por pedir a mulher que amamentava bebé para se tapar

A KLM está a sofrer uma verdadeira ‘turbulência’ devido a este episódio. Em resposta às criticas, a companhia aérea sublinhou que a amamentação é permitida nos seus voos mas que caso algum passageiro se sinta ofendido os membros da tripulação têm o dever de pedir à mãe que se tape.
Comentários