“Em maio, os britânicos consideravam Portugal um milagre”. Confederação do Turismo lamenta decisão do Reino Unido

“É uma decisão que lamentamos imenso e que não compreendemos. Em maio, os britânicos consideravam Portugal um milagre e, desde maio, registamos menos internamentos e mortos [relacionados com a pandemia de covid-19] e os nossos serviços de saúde estão melhor apetrechados”, afirmou o presidente da CTP

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) lamentou hoje a decisão do Reino Unido de excluir Portugal dos “corredores de viagens internacionais”, defendendo que é necessário reverter esta situação para minimizar os impactos no setor.

“É uma decisão que lamentamos imenso e que não compreendemos. Em maio, os britânicos consideravam Portugal um milagre e, desde maio, registamos menos internamentos e mortos [relacionados com a pandemia de covid-19] e os nossos serviços de saúde estão melhor apetrechados”, afirmou o presidente da CTP, em declarações à Lusa.

Francisco Calheiros lembrou que, em Portugal, já foi lançado o selo de certificação ‘Clean and Safe’ e, em paralelo, uma plataforma com o mesmo nome, que permite aos turistas classificarem os empreendimentos.

Para este responsável, que garantiu que a confederação está em permanente contacto com o Governo português, é importante começar já a trabalhar para que esta situação seja revertida.

“Se as coisas não forem revertidas, o cenário vai ficar pior. Não vale a pena pintar de rosa o que é negro”, vincou.

De acordo com a CTP, esta decisão vai assim afastar os britânicos de Portugal que, por exemplo, no Algarve, representam a maior parte dos turistas.

“Se pensarmos numa família tipo britânica, eles não vão deixar de passar férias. Não viajam para Portugal, mas algum país vai lucrar com isso”, notou.

O presidente da confederação do turismo referiu que a pandemia tem sido “desastrosa” para o setor, levando a quebras de 50% em março e a mais de 90% em abril.

Neste sentido, conforme acrescentou, a decisão do Reino Unido vem eliminar as perspetivas de recuperação em junho.

“Não podemos baixar os braços. Temos que continuar a lutar para reverter isso o mais rápido possível”, concluiu.

Portugal foi excluído dos “corredores de viagem internacionais” com destinos turísticos que o Reino Unido vai abrir para permitir aos britânicos passarem férias sem cumprir quarentena no regresso, foi hoje confirmado.

Portugal, onde foram identificados vários surtos localizados nas últimas semanas, não está na lista de 59 países e territórios hoje publicada, que inclui Espanha, Alemanha, Grécia, Itália, Macau ou Jamaica.

“Esta lista poderá ser aumentada nos próximos dias, após discussões adicionais entre o Reino Unido e parceiros internacionais”, indicou o ministério dos Transportes britânico numa nota publicada na sua página oficial.

Em declarações à Lusa, o chefe da diplomacia portuguesa considerou hoje esta decisão como um “absurdo” que causa “muito desapontamento”, trazendo ainda graves consequências económicas e de confiança recíproca.

Augusto Santos Silva assegurou que as autoridades portuguesas não vão tomar qualquer atitude de reciprocidade em relação aos britânicos que residem em Portugal, mais de 35.000, disse, e espera que o Reino Unido “corrija uma decisão errada rapidamente”.

Ler mais
Relacionadas

Reino Unido dá luz verde para viagens à Madeira e Açores, mas mantém quarentena no regresso

“Estes países foram avaliados como não apresentando mais um risco inaceitavelmente alto para os britânicos que viajam para o estrangeiro”, refere o comunicado do Ministério, aludindo que os critérios incluem considerações sobre a saúde pública.

Madeira: Setor do Turismo satisfeito com entrada da Região no corredor turístico do Reino Unido

Nuno Vale revela que a entrada da Madeira neste corredor vai proporcionar às companhias aéreas britânicas “que estavam com algum receio de reatar as rotas para a Região, poderem agora fazê-lo com confiança”.

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, crítica Governo português

Augusto Santos Silva garantiu que as autoridades portuguesas não irão tomar qualquer atitude de reciprocidade em relação aos britânicos que residem em Portugal, mais de 35.000, disse, e que espera que o Reino Unido “corrija uma decisão errada rapidamente”.

“Não merecíamos esta decisão”. Turismo do Algarve considera “injusta” exclusão de Portugal

O presidente da Região do Turismo de Algarve considera que Portugal está a ser penalizado por realizar mais testes que a maioria dos outros países. “Não merecíamos este tipo de decisão”, afirmou.

Respostas Rápidas: Que critérios foram seguidos pelo Governo inglês para excluir Portugal?

Portugal foi excluído dos “corredores de viagem internacionais” com destinos turísticos que o Reino Unido vai abrir para permitir aos britânicos passarem férias sem cumprir quarentena no regresso. O que implica esta decisão?
Ricardo Baptista Leite

“Qual é a lógica desta decisão ridícula?”. Deputado do PSD questiona Piers Morgan sobre exclusão de Portugal da lista inglesa

O deputado do PSD pediu ainda para comparar os números de França, Holanda, Bélgica e Portugal e garantiu que Portugal acolherá sempre os britânicos

Oficial: Portugal continental excluído da lista de países considerados seguros pela Inglaterra. Açores e Madeira com ‘luz verde’

A decisão foi tomada esta sexta-feira e significa que a partir do dia 10 de julho, os passageiros que visitem locais de baixo risco, poderão regressar ao país sem necessidade de auto-isolamento. Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte ainda vão decidir que países vão excluir.
Recomendadas

Responsabilidades do BES para com o Fundo de Pensões dos administradores vão ser extintas

A ASF autorizou a extinção das responsabilidades com pensões do ex-administradores executivos do BES.

Vendas do dono do Minipreço cresceram 6,3% no segundo trimestre de 2020

As vendas comparáveis (‘like-for-like’) do grupo de distribuição que opera em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina registou um aumento de 14,9% no período em análise face ao segundo trimestre de 2019, “com todos os mercados positivos pela primeira vez desde o 4º trimestre de 2016”.

BES e ESFG em disputa judicial pela ES Health Care Investment

A ESFG e o BES arrastam um processo judicial de disputa pela participação de 17,74% na Espírito Santo Health Care Investment e os dividendos que esta distribuiu ao BES no valor de 9,23 milhões. Mais recentemente a ESFG impugnou a lista de credores reconhecidos pelo BES, junto do Tribunal do Comércio, por não estar lá reconhecido o seu direito a esses ativos, o que o BES ainda vai contestar.
Comentários