Emov alarga aérea de operação às zonas de Benfica, Olivais e Cruz Vermelha

A Emov começou a operar em Lisboa em abril de 2017, em regime de ‘free floating’, após ter sido lançada primeiramente em Madrid, Espanha.

A Emov, detida pelo grupo fabricante automóvel PSA, vai alargar a sua área de operação “a Benfica, aos bairros da Cruz Vermelha e Olivais”, revelou o diretor-geral da empresa para Portugal e Espanha, Ignacio Roman Virseda, no discurso de abertura da conferência “Futuro da Mobilidade Urbana”, organizada pela empresa de carsharing em Lisboa. Assim, será possível encontrar e estacionar um automóvel partilhado nas zonas de Benfica, Cruz Vermelha e Olivais.

Virseda acredita que Lisboa é “um grande exemplo nas novas formas de mobilidade” e que a empresa que lidera tem de acompanhar a tranformação que a capital está a atravessar quanto às alternativas de mobilidade, cobrindo uma maior área.

A Emov começou a operar em Lisboa em abril de 2017, após ter sido lançada primeiramente em Madrid, Espanha. Em Portugal, a Emov disputa este mercado com empresas como a Drive Now.

A Emov conta atualmente com mais de 200.000 utilizadores e um parque circulante de 600 Citröen C-Zero 100% eléctricos em Madrid e de 150 em Lisbo e opera em regime free floating, ou seja, qualquer utilizador pode aceder aos veículos emov estacionados nas ruas de Lisboa através de um telemóvel.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Lucros da Sonae Sierra chegam aos 19,1 milhões no primeiro trimestre

No período em referência, a empresa criou a nova joint venture Sierra Balmain depois da aquisição de 50% da Balmain, uma empresa de prestação de serviços polaca.

Fundação Berardo gasta 1 milhão de euros em atividades de cariz social e tem um passivo de 998,5 milhões

De acordo com o relatório e contas da Fundação José Berardo de 2017, consultado pela Lusa, a IPSS do empresário madeirense conhecido por Joe Berardo, sediada no Funchal, gastou 1,041 milhões de euros nos “fins estatutários” da instituição, ou seja, caritativos, educativos, artísticos e científicos.

Spiros Martinis Spettel será o primeiro CEO da parceira entre EDP e Engie

Mandatos na nova ‘joint venture’ vão durar três anos. No primeiro, é a EDP Renováveis a nomear o CEO, enquanto a Engie escolhe o ‘chairman’ e o COO, enquanto no seguinte será ao contrário.
Comentários