Emov alarga aérea de operação às zonas de Benfica, Olivais e Cruz Vermelha

A Emov começou a operar em Lisboa em abril de 2017, em regime de ‘free floating’, após ter sido lançada primeiramente em Madrid, Espanha.

A Emov, detida pelo grupo fabricante automóvel PSA, vai alargar a sua área de operação “a Benfica, aos bairros da Cruz Vermelha e Olivais”, revelou o diretor-geral da empresa para Portugal e Espanha, Ignacio Roman Virseda, no discurso de abertura da conferência “Futuro da Mobilidade Urbana”, organizada pela empresa de carsharing em Lisboa. Assim, será possível encontrar e estacionar um automóvel partilhado nas zonas de Benfica, Cruz Vermelha e Olivais.

Virseda acredita que Lisboa é “um grande exemplo nas novas formas de mobilidade” e que a empresa que lidera tem de acompanhar a tranformação que a capital está a atravessar quanto às alternativas de mobilidade, cobrindo uma maior área.

A Emov começou a operar em Lisboa em abril de 2017, após ter sido lançada primeiramente em Madrid, Espanha. Em Portugal, a Emov disputa este mercado com empresas como a Drive Now.

A Emov conta atualmente com mais de 200.000 utilizadores e um parque circulante de 600 Citröen C-Zero 100% eléctricos em Madrid e de 150 em Lisbo e opera em regime free floating, ou seja, qualquer utilizador pode aceder aos veículos emov estacionados nas ruas de Lisboa através de um telemóvel.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Pensão de Horta-Osório gera polémica interna no Lloyds

O gestor português é acusado de ter benefícios muito acima do que a instituição pratica para a generalidade dos seus funcionários. A polémica pode ‘resvalar’ para a assembleia geral de maio próximo.

Standard & Poor’s volta a subir rating do Banco BPI

Agência destaca a sólida posição do BPI no negócio de banca comercial em Portugal e uma qualidade dos ativos melhor do que os competidores domésticos.

Deutsche Bank terá emprestado 2 mil milhões de dólares a Donald Trump durante 20 anos

Antes de ser eleito, foram concedidos pelo banco alemão empréstimos no valor 2 mil milhões de dólares a Donald Trump. O relatório do ”New York Times” avança que estas cedências foram feitas num espaço de duas décadas.
Comentários