Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

A trader wears glasses that say “2017” ahead of the new year on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) in Manhattan, New York City, U.S., December 30, 2016. REUTERS/Stephen Yang

A bolsa de Nova Iorque abriu a última sessão desta semana no ‘verde’ impulsionada pelos dados do mercado de trabalho norte-americano.

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Além disso, o número de pedidos de subsídio de desemprego fixou-se em 203 mil, um mínimo dos últimos sete meses.

“Os bons dados de criação de emprego nos EUA em novembro estão a trazer otimismo aos investidores e a aliviar alguns receios em torno de potencial arrefecimento da economia norte-americana”, assinala Ramiro Loureira, analista de mercados do Millennium bcp.

Esta sexta-feira, o S&P 500 sobe 0,79% para 3.142,10 pontos; o tecnológico Nasdaq avança 0,8%, para 8.639,24 pontos; e o industrial Dow Jones ganha 0,85%, para 27.914,43 pontos.

Sobre a guerra comercial entre os EUA e a China, o presidente norte-americano, Donald Trump, disse esta quinta-feira que as negociações prosseguem. Esta semana, Donald Trump admitiu que poderia adiar a celebração de um acordo comercial com a China para depois das eleições presidenciais norte-americanas, mas disse depois que as duas maiores potências económicas estariam próximas de um acordo de “primeira fase”.

Nas empresas, destaque para a subida da Tesla, que sobe 2% depois de o Morgan Stanley que atribuiu um preço-alvo de 500 dólares por ação no caso de Cybertruck ter sucesso na China.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está em queda numa altura em que as atenções do mercado têm os olhos postos na decisão sobre a produção de crude para 2020 da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e outros associados, como a Rússia.

Na Europa, o barril de Brent negoceia nos 63,23 dólares, depois de cair 0,16%. Nos EUA, o West Texas Intermediate perde 0,51%, para 58,13 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

Wall Street a crescer, mesmo com a incerteza no comércio mundial

As declarações de Donald Trump sobre o comércio mundial continuam a ser difíceis de entender. Aparentemente, o mercado mobiliário norte-americano decidiu seguir em frente.
Guerra Comercial EUA-China

Estados Unidos e China vão chegar a acordo mas não será duradouro e robusto, antevê banco BiG

No ‘outlook’ para 2020, os analistas defendem que será improvável que Pequim e Washington cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas antes.
Recomendadas

Wall Street cai diante de preocupações com vírus da China

A China continua no epicentro das preocupações devido ao Coronavírus.
JBCAPITAL MARKETS

JBCapital Markets: corretora espanhola quer colocar na Euronext Lisbon mais empresas nacionais

A empresa está no mercado português para “longo-prazo”, disse Alberto García Elias, conselheiro delegado da sociedade, que não descartou a hipótese de colocar mais empresas na bolsa nacional.

PSI-20 termina semana com ganhos. Jerónimo Martins e Altri subiram mais de 2%

A praça lisboeta acompanhou as subidas das congéneres europeias. A NOS manteve-se em contraciclo, com um deslize de 0,53%, para 4,87 euros.
Comentários