Empresa de energia renovável ultrapassa ExxonMobil em cotação bolsista

Segundo os analistas, esta ultrapassagem reflete a crescente importância atribuída pelos investidores às energias verdes, a insegurança relativamente ao comportamento do petróleo e a preferência por retornos estáveis em tempos de baixas taxas de juro.

Sergei Karpukhin/Reuters

A maior empresa mundial de energia solar e eólica ultrapassou a ExxonMobil em cotação na bolsa esta sexta-feira, reporta o Financial Times. A ultrapassagem reflete as preferências dos investidores por um novo paradigma na energia, além da incerteza à volta do petróleo.

A NextEra Energy chegou esta sexta-feira aos 138,6 mil milhões de dólares de valorização em bolsa, ou 118,3 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de mais de dois terços nos últimos dois anos, de acordo com a S&P Global Market Intelligence, citada pelo FT. Já a ExxonMobil, em tempos a maior empresa cotada em bolsa do mundo, chegou aos 137,9 mil milhões de dólares em bolsa, ou 117,7 mil milhões de euros, o que representa uma desvalorização de quase metade desde o início do ano.

Posicionadas em secções bem distintas do mercado, a NextEra registou lucros de 1,7 mil milhões de dólares, ou 1,45 mil milhões de euros, na primeira metade do ano, ao contrário da ExxonMobil, que tem sofrido com a desvalorização do petróleo. Já a NextEra, apesar de se dedicar às renováveis, assenta parte da sua produção elétrica em combustíveis fósseis, pelo que beneficia deste efeito negativo na operação da Exxon.

Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários