Empresário da água e das vacinas torna-se no homem mais rico da Ásia

O património líquido de Zhong Shanshan atingiu um pico de 95 mil milhões de dólares (78,3 mil milhões de euros) no início de janeiro deste ano, e agora situa-se nos 84,7 mil milhões de dólares (69,8 mil milhões de euros), de acordo com o Índice de bilionários da “Bloomberg”.

Zhong Shanshan é agora o asiático mais rico do mundo. O empresário é presidente de duas empresas – a Nongfu Spring (água engarrafada) e a fabricante de vacinas Beijing Wantai Biological Pharmacy Enterprise. Em 2020, Zhong decidiu colocar as suas duas empresas em bolsa e, com isso, viu a sua fortuna aumentar em mais de 70 mil milhões de dólares (57,7 mil milhões de euros, de acordo com o “Business Insider”.

O gestor chinês tornou-se no homem mais rico da Ásia, superando o empresário indiano Mukesh Ambani, que dirige um dos maiores grupos da Índia. Ao contrário de Ambani, Zhong é conhecido por ser um “lobo solitário”, ou seja, não se envolve na política e raramente faz aparições públicas.

O património líquido de Zhong atingiu um pico de 95 mil milhões de dólares (78,3 mil milhões de euros) no início de janeiro deste ano, e agora situa-se nos 84,7 mil milhões de dólares (69,8 mil milhões de euros), de acordo com o Índice de bilionários da “Bloomberg”.

É, neste momento, a sétima pessoa mais rica do mundo, logo após Mark Zuckerberg da Facebook e do lendário investidor Warren Buffett.

Zhong lidera a Nongfu Spring e a fabricante de vacinas Beijing Wantai Biological Pharmacy Enterprise, que fabrica kits de teste à Covid-19 e está a desenvolver um fármaco contra o novo coronavírus. Juntas, as duas empresas reportaram mais de 3,6 mil milhões de dólares (2,9 mil milhões de euros) em receitas em 2019.

O asiático mais rico do mundo mora em Hangzhou, uma cidade com cerca de 10 milhões de habitantes no leste da China, conhecida como um centro comercial e também pela sua paisagem pitoresca. Na cidade residiam pelo menos 32 bilionários em 2016 – incluindo Jack Ma – de acordo com a “CNN Business”.

Antes de fazer fortuna, Zhong desistiu do ensino secundário e passou algum tempo como operário de construção antes de trabalhar como jornalista na década de 1980, segundo a “Bloomberg”. Zhong ingressou no “Zhejiang Daily” em 1983, onde cobriu a área de agricultura. Após cinco anos, começou a tentar diversos empreendimentos comerciais – fundar um jornal particular, cultivar cogumelos e vender cortinas, de acordo com o jornal francês “Le Monde”.

Mais tarde, viria a fundar a empresa farmacêutica Yangshengtang, que hoje é a holding de Beijing Wantai. Em 1996, Zhong fundou a Nongfu Spring e hoje gere diretamente as vendas, a marca e os recursos humanos da empresa como presidente executivo.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários