PremiumEmpresas de ‘clipping’ ganham milhões com conteúdos dos media

Apenas quatro empresas de “clipping” têm licença da Visapress, pagando uma compensação às empresas de comunicação social que produzem os conteúdos que utilizam. A líder do mercado não tem essa licença, embora fature 9,7 milhões de euros por ano.

O Presidente da República colocou na ordem do dia a crise que a comunicação social atravessa, devido aos novos hábitos de consumo na era digital e à fuga do investimento publicitário para outras plataformas. Mas ainda há quem fature milhões de euros por ano com a venda dos conteúdos produzidos pela comunicação social, como as empresas que fornecem serviços de “recorte” de notícias, o chamado clipping, a centenas de entidades públicas e privadas em Portugal.

Não foi possível confirmar se empresas como a Cision Portugal, a Manchete Research ou a Multicomunicação, entre outras, pagam uma compensação financeira aos produtores dos conteúdos que difundem através dos seus serviços. O certo é que as únicas empresas de clipping licenciadas pela Visapress, entidade que gere coletivamente os direitos de autor da maior parte da imprensa portuguesa, são a News Search, a Media Monitor, a Press Power e a Surprise Evolution. “Nós pagamos uma compensação através dessa licença”, afirma Vera Pereira, membro da direção da News Search. Questionada sobre o valor dessa compensação, Vera Pereira diz que “é confidencial”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Cópia privada gerou recorde de 9,6 mil milhões de direitos em 2017

A cobrança mundial de direitos autorais sobre cópia privada atingiu 9,6 mil milhões de euros, em 2017, segundo o relatório anual da Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores (Cisac), que sublinha a fraca redistribuição do Youtube.

O Youtube vai mesmo acabar? Seis coisas que deve saber sobre a lei que pode mudar a Internet

Proposta de reforma sobre direitos de autor no mercado único digital está a gerar muita polémica. Os que estão contra dizem que vai ser o fim da Internet como ela existiu até hoje, Já os que estão a favor, afirmam que a nova lei vai proteger mais os artistas. Mas afinal, o que muda?

Marisa Matias sobre nova diretiva dos direitos de autor: “Não é o fim da Internet. É o fim da liberdade”

”Opus-me à votação do Artigo 13º em julho, e voltei a opôr-me em setembro”, declarou a eurodeputada do Bloco de Esquerda numa video-chamada durante um encontro, em Lisboa, sobre a Reforma Europeia do Direito de Autor e o Interesse Público.
Recomendadas

PremiumEuro2020 pode ser pontapé para relançar mercado publicitário das marcas

Cobertura mediática será maior do que em 2016, mas é pouco provável que se traduza em recordes de audiências, dizem especialistas. Ainda assim, as marcas deverão aproveitar a oportunidade.

Já pode investir na criptomoeda Dogecoin com a aplicação da Revolut

A fintech britânica tem 30 criptomoedas disponíveis para investimento. Curiosamente, a cara que está nesta moeda virtual – ou seja, o focinho de cão – foi esta sexta-feira vendida como NFT por 4 milhões de dólares.

Ophiomics é a primeira empresa portuguesa a receber verbas do fundo do European Innovation Council

Ophiomics assegurou um investimento de um milhão de euros do fundo do European Innovation Council, no âmbito do programa-quadro Horizonte Europa, que é uma continuação do Horizonte 2020. Biotecnológica portuguesa é uma das 75 PME europeias mais “promissoras” para Bruxelas.
Comentários