Empresas de rastreio auditivo proibidas nos Açores

A inibição surgiu após várias denúncias de clientes. As viaturas utilizadas pelas empresas não correspondiam às que tinham sido registadas na licença de operação e não existiam profissionais de saúde nos rastreios.

As empresas de rastreio auditivo Empathy Voices e R.A.P. foram impedidas de atuar na Região Autónoma dos Açores após várias denúncias de clientes, conta o “Público” na edição desta quarta-feira, 14 de agosto.

As duas organizações fazem rastreios auditivos e vendem aparelhos de próteses por milhares de euros, mas, depois de uma fiscalização, a Direção Regional da Saúde dos Açores apercebeu-se de que não existiam profissionais de saúde aquando da realização desses exames.

De acordo com um comunicado da entidade açoriana, houve reclamações da Empathy Voices e R.A.P “remetidas pela população”, pelo que foram proibidas de fazer “atendimento ao público”, refere o mesmo jornal. Além disso, o matutino relata que as viaturas utilizadas pelas empresas não correspondiam às que tinham sido registadas na licença de operação.

“Os rastreios de saúde gratuitos que escondem não são uma novidade”, afirma Graça Cabral, responsável pelo gabinete de Comunicação da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco).

Recomendadas

CEO da Ryanair diz que houve um disparo nas reservas do Reino Unido para Portugal, Espanha e Itália

Tendo em conta que estes três países já iniciaram a fase de desconfinamento, as reservas de voos para fins turísticos espelham a despreocupação dos britânicos quanto ao risco de infeção por Covid-19 nos destinos do sul da Europa.

Confederações empresariais escrevem a Centeno para intervir nos seguros de crédito

Algumas confederações já se tinham queixado que as seguradoras de crédito estavam a reduzir as coberturas contratadas pelas empresas. Cinco confederações empresas escrevem agora ao ministro das Finanças a pedir para intervir e garantir seguros para risco de crédito, nomeadamente à exportação para não comprometer a fluidez das trocas comerciais. Produtos químicos e farmacêuticos, alimentar ou a construção, são alguns dos setores que precisam urgentemente de manter ou reforçar estes seguros, para evitar paragem abrupta da atividade.

Portugal quer garantir “corredor aéreo” para turismo britânico

No ano passado, mais de 16 milhões de turistas internacionais chegaram a Portugal, sendo que do total deste valor, 20% eram cidadãos do Reino Unido.
Comentários