Empresas ocidentais em posição delicada com pedidos de boicote dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim

O tratamento da minoria uigur pelo Governo chinês tem levado a pedidos de boicote dos Jogos de Inverno, a realizar a na capital chinesa, por vários agentes ocidentais, o que coloca as empresas americanas e europeias divididas entre agradar aos seus mercados domésticos ou ao crescente mercado chinês.

Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, marcados para a capital chinesa de Pequim, têm gerado um coro de indignação por parte de organizações não governamentais de defesa dos direitos humanos, que pedem o boicote do Ocidente ao evento devido ao tratamento do Governo chinês à minoria étnica uigur.

Como salienta um relatório do Eurasia Group citado pela CNBC, esta pressão coloca as empresas americanas e europeias numa situação delicada, enfrentando críticas por parte do Ocidente pela recusa em tomar uma posição perante o que muitos observadores já apelidaram de genocídio da minoria muçulmana, mas arriscando perder espaço no gigante e crescente mercado chinês.

“Se uma empresa não boicotar estes Jogos, arrisca danos reputacionais junto dos seus consumidores ocidentais. Mas caso decida fazê-lo, arrisca-se a ficar excluída do mercado chinês”, pode-se ler no relatório da consultora de risco político.

O Eurasia Group projetou assim três cenários com diferentes graus de probabilidade.

O mais provável passa por um boicote governamental aos Jogos de Inverno, que deverá ser liderado pelos EUA, no qual altos representantes diplomáticos não comparecerão ao evento. Este cenário é visto com 60% de probabilidade e levaria mais aliados americanos a juntarem-se, exceto os presentes na Ásia-Pacífico, como Japão, Coreia do Sul e Austrália, para quem a proximidade do território chinês cria uma dinâmica diferente.

O segundo cenário mais provável, ao qual é atribuído 30% de possibilidade de se concretizar, passa por um boicote desportivo. Neste caso, os países que optem pelo boicote poderão impedir os seus atletas de participar na prova, mas a retaliação de Pequim será certamente mais pesada, podendo a situação facilmente escalar para um boicote económico do evento.

O último cenário, com apenas 10% de probabilidade, passa por não se verificar nenhum boicote formal.

“Pequim quase de certeza retaliará contra qualquer país envolvido num boicote”, afirmam os analistas da consultora. “A resposta direta de Pequim a um boicote diplomático será provavelmente um boicote recíproco a eventos do Ocidente, bem como sanções junto dos maiores promotores desta medida”, continua a citação da CNBC.

O documento surge depois de ter sido emitida uma declaração conjunta entre EUA, Canadá e Reino Unido a repudiar o programa de repressão da minoria uigur na província de Xinjiang, de onde têm surgido relatos nos últimos anos de campos de reeducação, trabalho e esterilizações forçadas, e no rescaldo da polémica entre H&M e Pequim.

A marca de roupa, juntamente com a Nike, foi visada nas redes sociais chinesas depois de terem surgido declarações antigas a manifestar preocupação com os indícios de trabalho forçado na região. Como represália, ambas as marcas foram banidas das aplicações de e-commerce chinesas.

Ler mais
Recomendadas

Câmara de Lisboa estuda solução para festejos do Sporting em segurança

“A mensagem que queria transmitir, neste momento, é que estamos a estudar, estamos a trabalhar, estamos a pensar nas melhores soluções para se acontecer a vitória do Sporting no campeonato, poder haver festejos em segurança na cidade de Lisboa”, disse o presidente da autarquia.

Quanto valeria o regresso de Cristiano Ronaldo à Liga portuguesa? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Primeira Pessoa” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Miguel Farinha: “Pandemia? É preciso destacar a capacidade de resiliência dos clubes”

Em entrevista ao programa “Jogo Económico”, da plataforma multimédia JE TV, Miguel Farinha, partner e líder de Strategy and Transactions da EY, destacou a capacidade de resiliência dos clubes apesar de um terço da época ter sido afetada pela crise pandémica.
Comentários