Empresas que detêm a SIC e a TVI levam maior fatia do apoio aos media

A Direção-Geral da Saúde vai ser a entidade pública a gastar mais dinheiro em publicidade institucional com sete milhões de euros para apoiar a comunicação social que sofreu uma forte queda publicitária devido à crise económica provocada pela pandemia da Covid-19.

As empresas que detêm a SIC e a TVI vão levar  a maior fatia do apoio do Governo às empresas de comunicação social em Portugal.

Devido à quebra de receitas publicitárias provocada pela pandemia da Covid-19, o Governo anunciou um pacote de 15 milhões de euros, valor que inclui IVA, para comprar publicidade institucional em empresas de media durante o ano de 2020 para tentar aliviar parte da quebra de atividade que o setor está a viver em Portugal neste momento.

É de destacar que dos 15 milhões com IVA, os maiores órgãos de comunicação social no país têm direito a 11,250 milhões de euros, com IVA. Do valor total, dois milhões destinam-se a compras em publicações periódicas de âmbito regional, com 1,7 milhões a term como fim compras em detentores de serviços de programas radiofónicos de âmbito regional e/ou local.

A liderar a tabela dos 11,250 milhões de euros em apoios, está a Impresa – que detém a SIC e o Expresso – que vai ter direito a um apoio de quase 3,5 milhões de euros.

Segue-se o grupo Media Capital – dono da TVI ou da Rádio Comercial – com quase 3,4 milhões de euros, segundo a resolução do Conselho de Ministros publicada hoje em Diário da República.

Na terceira posição, surge o grupo Cofina – dono do Correio da Manhã e da CMTV – com 1,6 milhões de euros de apoio.

Segue-se o grupo Global Notícias Media Group – o dono do Diário de Notícias, Jornal de Notícias e a rádio TSF – com direito a receber um valor acima de um milhão de euros.

A seguir na tabela, a Rádio Renascença vai ter direito a receber 480 mil euros, com a Trust In News – dona da Visão, Caras ou Exame – a receber 406 mil.

Segue-se o jornal Público (314 mil), a Sociedade Vicra Desportiva (dona do jornal A Bola e Bola TV) com 329 mil euros, e a Newsplex – dona do Sol e do jornal i – com 38 mil euros.

Já a Megafin – empresa dona do Jornal Económico – vai ter direito a receber 28.844 euros.

A Avenida dos Aliados – Sociedade de Comunicação – dona do Porto Canal – vai receber 23 mil euros, com o Observador Ontime – dona do Observador – a receber 19,9 mil euros, e a Swipe News – que detém o Eco – a receber quase 18,9 mil euros.

Quem é que vai gastar mais em publicidade institucional por parte do Estado? A Direção-Geral da Saúde (DGS) vai gastar sete milhões de euros em publicidade nos meios de comunicação social.

Seguem-se três secretarias-gerais com 1,5 milhões de euros de investimento cada: a do ministério da Administração Interna, a da Educação e da Ciência, e a do Trabalho, Solidariedade e da Segurança Social.

Já várias entidades vão despender 500 mil euros cada uma para apoiar os media: Secretaria -Geral da Presidência do Conselho de Ministros; Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais; Secretaria -Geral do Ministério da Educação e Ciência; Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral.

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes: Governo está a demorar muito tempo a decidir sobre a TAP

O comentador político diz que a solução para a TAP no imediato vai passar por um empréstimo público ou um empréstimo privado com garantia de Estado, apontando que o Estado não vai integrar a Comissão Executiva, mas que os “poderes do Conselho de Administração serão reforçados”.

Luxair retoma voos para Faro com clientes luxemburgueses para hotéis do Grupo NAU

Cerca de 70 turistas do Luxemburgo ficaram alojados no o São Rafael Atlântico e o Salgados Dunas Suites, reabriram hoje, dia 31 de maio, as suas portas, e vão permanecer entre sete e 14 noites.

Centros comerciais vão reabrir amanhã à exceção da Área Metropolitana de Lisboa

Dos 94 centros comerciais associados da APCC, 35 são na Área Metropolitana de Lisboa, representando cerca de 50% do emprego deste subsetor de atividade.
Comentários