Empresas têm até 19 de março para se candidatarem ao programa Apoiar

O prazo acabava amanhã e foi prorrogado. Isto significa que as empresas têm mais 15 dias para poder apresentar candidatura ao programa Apoiar.pt e Apoiar Restauração.

Harry Murphy / Web Summit

O Governo prolongou as candidaturas ao programa Apoiar até 19 de março. No site do Programa Apoiar é dito que “por deliberação de 4 de março , o prazo de 5 de março, indicado no ponto 9 da alteração do Aviso nº 20/SI/2021, republicado a 18 de fevereiro de 2021, é prorrogado até ao dia 19 de março de 2021 (23:59h)”.

O prazo acabava amanhã e foi prorrogado. Isto significa que as empresas têm mais 15 dias para poder apresentar candidatura ao programa Apoiar.pt e Apoiar Restauração.

Vão poder beneficiar desta extensão do prazo as empresas cujas candidaturas estavam a ser analisadas e que foram consideradas elegíveis para o apoio, mas também os casos que já estavam previstos na anterior prorrogação.

O Programa Apoiar é um instrumento de apoio à tesouraria das empresas, que atuem em setores particularmente afetados pelas medidas de confinamento, assegurando e preservando a sua liquidez no mercado e a continuidade da sua atividade económica durante e após o surto pandémico, financiado pelo FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Este programa-se destina-se a PME e empresas que tenham um volume de negócios inferior a 50 milhões de euros.

As medidas criadas no âmbito do Programa Apoiar, na redação de janeiro de 2021 são o Apoiar.pt; Apoiar Restauração; o Apoiar + Simples e o Apoiar Rendas.

O Governo está a tentar também encontrar medidas para a capitalização das empresas. O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira disse esta quarta-feira que estava em negociações com a Comissão Europeia para “adequar o quadro temporário de auxílios do Estado para encontrarmos instrumentos de capitalização, instrumentos híbridos, com o objectivo de ajudar as empresas a recuperar capitais próprios e sair da crise de uma forma mais vigorosa”.

O Plano de Recuperação e Resiliência tem previsto um empréstimo de 1.250 milhões de euros para financiar a capitalização das empresas através do Banco Português de Fomento.

Ler mais

Recomendadas

IGCP volta hoje ao mercado com dois leilões entre 1.000 e 1.250 milhões de euros

A entidade já tem previsto mais dois leilões, um no dia 19 de maio, para entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros e outro no dia 16 de junho, com um montante previsto entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros, de acordo com informação no ‘site’ do IGCP.

Portugal corre o maior risco na UE de uma crise prolongada, afirma o banco ING

A elevada exposição ao turismo e outros sectores vulneráveis, o que significa uma percentagem considerável da economia sem a possibilidade de teletrabalho, bem como fragilidades macro e falta de literacia digital colocam o país em risco de uma crise profunda que, juntamente com o resto do Sul da Europa, pode resultar num agravamento do fosso em relação ao Norte mais desenvolvido.

Venda de combustível nos postos de abastecimento cai mais em fevereiro

Daí que a procura e consumo de produtos petrolíferos devam aumentar, sobretudo a partir do segundo semestre deste ano, devendo apesar de tudo “começar a ser sentido de forma mais clara a partir dos meses de abril e maio deste ano”.
Comentários