Energias renováveis: Portugueses entre os que mais consomem energia ‘limpa’ na União Europeia

Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na União Europeia que maior percentagem das suas necessidades energéticas são satisfeitas com energias renováveis.

Apenas cinco estados-membros da União Europeia (UE) revelaram ter um consumo de energia renovável superior a 50% da energia consumida. Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na UE que maior percentagem das suas necessidades energéticas foram satisfeitas com renováveis, segundo mais recente estudo da Eurostat.

Em primeiro lugar temos a Áustria com 73% da energia consumida ser de origem renovável. A seguir, a Suécia com 65% e juntamente com Portugal, em terceiro lugar, temos a Dinamarca ambos com 54%. A completar o Top 5 temos a Letónia com 51%. Os dados apresentados foram recolhidos em 2016.

No entanto, o crescimento na aposta das energias renováveis não é transversal para todos os estados-membros. O caso mais distante é o de Malta onde apenas 6% da energia consumida era energia renovável. Abaixo dos 10% encontra-se também Luxemburgo e a Hungria com 7%, e o Chipre com 9%. Os dados apresentados foram recolhidos em 2016.

Tendo dito isto, a electricidade de fontes renováveis contribuiu para cerca de 30% da energia consumida na União Europeia, revela o estudo. A fonte mais importante foi a hidroeléctrica, que é responsável por 36,9% da produção. Em segundo a energia eólica com 31,8% e a energia solar fica com a fatia mais pequena, com  11,6%. O restante é dividido pelo biogás, a energia geotérmica, entre outros.

https://twitter.com/EU_Eurostat/status/1043038683799146497

Relativamente a Portugal, há uma melhoria face a 2015 quando a percentagem era de 52,6%. Prevê-se que tanto 2017 como 2018 sejam também anos de bom desempenho. Em março último, segundo o boletim da APREN (Associação Portuguesa de Energias Renováveis) pela primeira vez, a produção elétrica renovável ultrapassou as necessidades de consumo em Portugal Continental.

Nesse mês, as fontes renováveis alcançaram “uma representatividade histórica de 103,6% do consumo eléctrico de Portugal Continental (4.647 GWh)”, anunciou a APREN. Neste período destacou-se a contribuição das centrais hídricas e eólicas que foram responsáveis por 55% e 42% das necessidades de consumo, respectivamente.

Ler mais
Relacionadas

BCP e EDP Renováveis levam PSI 20 a abrir no ‘verde’

O banco negoceia em máximos de um mês, enquanto a eólica está a reagir em alta ao anúncio de um novo projeto no Brasil que levará a atividade da empresa para o triplo do atual dentro de cinco anos.

EDP Renováveis entra no mercado brasileiro de energia solar

O contrato de 15 anos assinado pela subsidiária EDP Renováveis Brasil entra em vigor no início de 2022 e a eletricidade vendida será gerada pelo parque solar fotovoltaico Pereira Barreto.

A nossa electricidade é mesmo a mais cara da Europa?

É pois falso afirmar que a tarifa da eletricidade para os consumidores domésticos é a mais cara da Europa. Esta, sem taxas e impostos, fica abaixo da média dos países da UE e, quando se adicionam taxas e impostos, também se situaria abaixo da média da UE se a taxa de IVA fosse uniforme em todos os países.
Recomendadas

Fundo Azul aprova projetos de 1,9 milhões de euros

O Fundo Azul aprovou 1,9 milhões de euros a distribuir por cinco projetos selecionados na tipologia de desenvolvimento da economia do mar, “com o objetivo de estimular a emergência de uma nova geração de empreendedores do mar (‘start-ups’, PME e empresas) criadora de oportunidades inovadoras de negócio, rentáveis e sustentáveis”.

“Não acho que seja uma farsa”. Trump já acredita no aquecimento global?

Na mais recente entrevista ao “60 Minutos”, o presidente norte-americano revelou que as alterações climáticas ”não são uma farsa”, concluindo, no entanto, que as ações do homem não são a causa da situação.

Alterações climáticas: “Portugal e os restantes países mediterrânicos são dos mais vulneráveis”

O geofísico Pedro Matos Soares alerta para a iminência de um “ponto de não retorno” no aquecimento global que vai comprometer a viabilidade de muitas sociedades. Critica a inação dos decisores políticos e sublinha: “Temos que forçar uma transição energética muito mais célere para as energias renováveis”.
Comentários