Equipa da RTP retida e questionada na fronteira no regresso de Hong Kong

O caso levou a Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) a apelar às autoridades de Macau para que “o livre exercício da profissão esteja assegurado na plenitude”.

A direção de informação da RTP afirmou que a equipa de reportagem que se encontra em Macau foi retida, na quinta-feira, para “identificação e interrogatório” ao regressar de uma reportagem em Hong Kong.

Em resposta à Lusa, a direção de informação da televisão pública portuguesa indicou que a equipa de reportagem deslocou-se na quinta-feira a Hong Kong, a cerca de 60 quilómetros, e, no regresso a Macau via ferry, foi “retida para identificação e interrogatório pelo controlo de segurança alfandegário durante uma hora e meia”.

A direção de informação da RTP acrescentou que “o material de reportagem foi sujeito a vistoria, mas sem qualquer apreensão do mesmo. A equipa prosseguiu o seu trabalho normalmente e editou uma peça sobre a manifestação de Hong Kong que foi emitida no Telejornal”, referiu-se na resposta à Lusa. A notícia tinha sido avançada pelo canal em português da Rádio Macau.

O caso levou a Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) a apelar às autoridades de Macau para que “o livre exercício da profissão esteja assegurado na plenitude”.

“Perante situações recentes de jornalistas do exterior que viram a entrada negada ou que foram inquiridos prolongadamente nas fronteiras de Macau”, a AIPIM “lamenta essas situações e faz um apelo às autoridades de Macau para que seja respeitada a livre circulação de jornalistas e que o livre exercício da profissão esteja assegurado na plenitude”, indicou a associação, num comunicado enviado às redações.

Esta manhã, o Gabinete de Comunicação Social (GCS) de Macau alertou os ‘media’ que se deslocam ao território para as comemorações do 20.º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial chinesa e posse do V Governo para a necessidade de procederem a um “pedido de importação de equipamento”.

“Caso planeiem fazer-se acompanhar de equipamentos de grande dimensão durante a passagem pela Alfândega de Macau, devem enviar ao Gabinete de Comunicação Social, por e-mail, os documentos necessários”, indicou o GCS em comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

Novo Banco vende “Rei dos Cogumelos” em plena crise

O Novo Banco, maior credor do grupo Sousacamp, com 49% dos créditos, acordou a venda do maior produtor ibérico de cogumelos ao Core Capital.

Covid-19: Kaeser garante assistência a equipamentos de ar comprimido de hospitais e da indústria

Além de cerca de três mil empresas do setor industrial, em Portugal a Kaeser trabalha com hospitais como o Grupo Trofa Saúde, Hospital Santo António, Hospital de Braga, Hospital de Santa Maria, Hospital de Gaia, Hospitais de Coimbra, Hospitais Lusíadas e Fundação Champalimaud.
Comentários